Encontre no blog...



Mundo Extremo - Cláudio Azevedo

Crítica | Spectre of Devastation – Warfect

Embora seja mais conhecida pelo incrível arsenal death metal, a Suécia é capaz de produzir thrash metal da mais alta qualidade, como o ótimo The Haunted, por exemplo. E os headbangers agora possuem mais um motivo para olhar com atenção para aquele cenário, pois o Warfect é uma máquina insana de fazer thrash metal, como já tinham deixado claro seus dois últimos álbuns, Exoneration Denied (2013) e Scavengers (2016).

Spectre of Devastation, o novo álbum do trio, veio ao mundo em meio à pandemia e conseguiu o impossível, superar seus antecessores.

A produção, a habilidade dos músicos, a aura metálica do material, tudo funciona facilmente. A intro que leva o nome do álbum abre os trabalhos na melhor tradição Judas Priest, melódica e cheia de clima, para logo Pestilence explodir nos falantes, veloz, pesada, como convém a um bom thrash metal.

Para bangers sedentos por fast metal, Rat King chega como um raio, com seus riffs cortantes. Um pouco mais cadenciada, porém não menos pesada, Left To Rot privilegia a ótima pegada do guitarrista Fredrik Wester, que também comanda as vozes.

Mas logo o trio volta a pisar fundo no acelerador, com as matadoras Hail Ceaser, Into The Fury e a insana Colossal Terror, onde o grupo manda ver em blastbeats, provando que não há limites quando o assunto é destruir tudo em nome do thrash metal. Obrigatório para qualquer headbanger, e queremos esses caras aqui no Brasil.

Spectre of Devastation
Ano de Lançamento
: 2020
Gravadora: Napalm Records
Gênero: Thrash Metal

Faixas:
1-Spectre of Devastation
2-Pestilence
3-Rat King
4-Left to Rot
5-Hail Ceaser
6-Into The Fray
7-Colossal Terror
8-Witch Burner
9-Dawn of The Red

Continue lendo após a publicidade

ACOMPANHE

FacebookTwitterInstagramSpotifyYoutube
PUBLICIDADE

CATEGORIAS

PUBLICIDADE

Posts relacionados

Brasil Extremo - Cláudio Azevedo

Essa versão da Brasil Extremo vai dar uma pausa nos lançamentos e voltar 26 anos no tempo. Mais precisamente para 1995, onde em terras...

Mundo Extremo - Cláudio Azevedo

O tempo voa. Já se passaram dois anos desde que os suecos do Necrophobic editaram Mark of The Necrogram e ainda baixaram em terras...

Brasil Extremo - Cláudio Azevedo

Você olha para o nome da banda, para o título do álbum, para a arte de capa e de pseudônimos como “Rotten Flash”. Será...

Mundo Extremo - Cláudio Azevedo

O Heathen pode não ter obtido a mesma fama que seus conterrâneos da Bay Area (Metallica, Exodus, Testament) tiveram, porém seu thrash metal melódico...