Nossas redes

O que você está procurando ?

Divulgação

Entrevistas

Entrevista | Within Temptation – “Não tivemos isso desde a Segunda Guerra Mundial”

Um dos destaques da última temporada, a banda de metal sinfônico holandesa Within Temptation acertou em cheio com o álbum Bleed Out, lançado em outubro passado. Sem medo de expor suas opiniões sobre geopolítica e social, o grupo entregou uma obra de alto nível e sem medo de ousar na sonoridade.

A vocalista Sharon den Adel conversou com o Blog n’ Roll, via Zoom, sobre o novo disco, geopolítica e o retorno ao Brasil. A banda é headliner do segundo dia do Summer Breeze Open Air Brasil, no dia 27 de abril, no Memorial da América Latina, em São Paulo. Confira abaixo.

O novo álbum do Within Temptation foi influenciado pelo conflito na Ucrânia, certo? Queria que você falasse mais o quanto isso impactou nas composições?

Já lançamos algumas outras músicas, que tratavam mais de assuntos sociais. Mas quando a guerra começou na Ucrânia, aquilo foi uma enorme inspiração para escrever porque ficamos muito chocados com o que aconteceu lá. Porque a Rússia é uma superpotência e acho que muitas pessoas subestimam o impacto do que eles fazem porque podem transformar isso em uma guerra sem fim e é muito perto do nosso país.

Publicidade

É como um voo de duas horas e meia saindo de Amsterdã, você está em Kiev, então parece que é bem, você sabe, é muito perto, está na Europa. Não tivemos isso desde a Segunda Guerra Mundial, uma guerra dessa magnitude.

Claro, tivemos algumas guerras menores acontecendo na Europa, que também foram intensas, pesadas e feias, mas ter uma superpotência atacando um país soberano como isso não aconteceu desde a Segunda Guerra Mundial.

O que você acredita que leva chefes de estado a declararem guerra contra outros países? Ganância? Poder?

Acho que é sobre poder. É sobre dividir as pessoas e manter-se no poder. Eu acho que é isso que toda a Rússia está fazendo no momento, é um fato, acho que Putin está tentando, você sabe, se não pode, se há muitas coisas políticas acontecendo em seu país, você vê muitas pessoas, líderes, líderes ruins, tentando colocar o foco em algo diferente, como uma guerra, começar uma guerra em algum lugar.

Então, as pessoas não vão se concentrar no que está acontecendo internamente em seu país, mas estarão mais focadas em outras coisas como a guerra acontecendo no momento. Acho que é sobre manter, manter o poder ou permanecer no poder.

Publicidade
Enquanto vocês lançavam o novo álbum, outro conflito teve início (ou recomeço) na Palestina e Israel. O que é necessário para acabarmos com essas guerras? Como a música pode ajudar nesse processo?

Bem, se eu tivesse essa bola mágica para dizer qual é a solução, não sei. A única coisa é o motivo pelo qual estamos escrevendo sobre isso e criando músicas é porque ficamos chocados com o que estava acontecendo. E acho que se você falar sobre isso em entrevistas, mantém certos assuntos vivos.

Porque, por exemplo, agora que o conflito entre Gaza e Israel se intensificou novamente e os eventos recentes foram horríveis, claro, todo mundo parece se preocupar. Também há uma guerra acontecendo na Ucrânia pela Rússia. Então, acho que apenas falar sobre esses assuntos e vice-versa também funciona dessa maneira, acho, e em outros países, existem tantos conflitos no mundo no momento.

Esses não são apenas os dois únicos eventos acontecendo no mundo. Há tantos outros países onde minorias estão sendo oprimidas e, mas não é possível falar sobre tudo ao mesmo tempo.

Somos contadores de histórias e queremos apenas manter as notícias vivas. Para que as pessoas não esqueçam que há uma guerra acontecendo em algum lugar, como, por exemplo, na Ucrânia pela Rússia, mas também o que está acontecendo no Irã, com as mulheres que estão lutando por sua liberdade e não apenas as mulheres, mas também os homens dessa geração estão tentando apoiá-las e também tentando lutar pela liberdade.

Publicidade

Se não falarmos mais sobre esses assuntos, porque muitas coisas se tornam notícias antigas muito rapidamente, então as pessoas simplesmente continuam lutando, mas não sabemos que ainda estão lutando, porque para nós, em alguns outros países, quando não está nas notícias, você pensa que acabou ou parou ou algo assim, mas a luta ainda está acontecendo lá e precisamos apoiar essas pessoas.

Vocês sofrem preconceito ou resistência de fãs de alguns países por conta desse posicionamento? Muitos artistas declararam apoio à Ucrânia desde o início da guerra. Isso de alguma forma prejudicou?

Sim, sofri. Por exemplo, tocamos na Hungria, que é um país pró-russo, assim como a Eslováquia, mas é importante também erguer a bandeira da Ucrânia nesses locais. O que temos feito em cada show até agora é falar sobre o que está acontecendo e tentar fazer as pessoas entenderem o quão importante é ver o que está realmente acontecendo e não apenas acreditar no que o governo está dizendo, mas também ter uma voz diferente nessa questão toda.

Não acredito que possamos mover montanhas, realmente não acredito. Mas espero que se alguém for aos nossos concertos, possa começar a pensar duas vezes, tipo, ‘okay, há alguma maneira de descobrir mais sobre diferentes lados da história‘.

Como o governo húngaro, é claro, é muito pró-russo e tudo o que está escrito nas notícias não é tão objetivo. Claro, nada é realmente completamente 100% objetivo de diferentes perspectivas. Mas acho importante que as pessoas não sejam cegas e surdas para um som diferente. E acho bom ver as coisas de diferentes perspectivas. Portanto, acho importante continuar abordando esses tipos de tópicos. Especialmente porque somos da Europa, isso está acontecendo na Europa.

Publicidade

Assumimos esse assunto para apoiar e sermos mais abertos e diretos, tipo, ‘okay, realmente achamos que isso é muito perigoso porque pode desestabilizar a Europa‘. E esse é o objetivo da Rússia, desestabilizar a Europa, além de tentar tomar certos países na área da Rússia.

Você viveu no Iêmen durante a infância. O que recorda desse período? Voltou para lá depois? O que motivou sua família a morar lá?

Sim, morei no Iêmen durante minha infância. Não, não retornei lá após a guerra. Fui para muitos outros países na região. Fui para Dubai, Israel, Jordânia, Líbano algumas vezes. Então, estivemos em muitos países na região. Não diretamente ao Iêmen, é claro, porque morava lá. Mas, sim, quando o projeto terminou para os meus pais, não retornei mais. No entanto, essas lembranças são muito vívidas. Fiquei quase dois anos lá.

Até frequentei uma escola árabe, porque não havia outras escolas para mim na minha idade. Eu tinha cerca de seis anos. E meu irmão frequentava uma escola americana, pois havia um ensino médio. Mas o que lembro é muito sobre a comida, as cores, os cheiros, os barulhos, as pessoas, como me dirigir às crianças com quem brincava nas ruas. Tínhamos vizinhos e brincava com as crianças deles. Sim, esse tipo de coisa. É o que lembro do país.

Foi um lugar especial, porque não visitei outros países que fossem assim. O restante era muito diferente. Morei na Indonésia por um tempo, também em Suriname, mas países muito diferentes para comparar ao Iêmen, onde pude sentir a diferença entre homens e mulheres muito intensamente.

Publicidade

Embora fossem muito simpáticos e educados comigo, sempre senti que a cultura deles era muito diferente da minha e de onde eu vinha, e onde meninos e meninas são vistos de maneira diferente. E isso não é, você sabe, é assim que são as culturas, porque são diferentes umas das outras. Mas, ver também essas mulheres, como Mahsa Amini, defendendo seus direitos, tentando mudar as coisas em sua visão, como costumava ser nos anos 60. Elas não tinham que usar as roupas que estão usando agora e muitas coisas mudaram com mudanças no governo.

Então, encontrar mais liberdade dentro de sua religião, acho isso bastante corajoso se você quer lutar por seu direito individual, porque nós temos isso no Ocidente, é claro. E também acredito que isso acontece em ambos os sentidos. Se você quer ser muito religioso, seja religioso, mas apenas não diga às outras pessoas como viver suas vidas e não se ofenda com a maneira como outras pessoas vivem suas vidas.

Acredito que devemos deixar uns aos outros em paz. E, sim, esse é o meu ponto de vista. Acho que realmente acredito, se alguém defende o que acredita e escolhe viver sua vida, da maneira que deseja viver, acho que devemos apoiar isso. Isso nos inspira a escrever músicas sobre esses temas.

Por qual razão você morou em vários países?

Meu pai era um expatriado. Ele foi enviado para uma empresa de telecomunicações e queria manter sua família unida. Porque às vezes esses projetos levam meses ou anos. E, neste caso, foram um ano e meio, pelo menos, que estivemos lá, vivendo lá. E então, nós, como família, fomos com ele.

Publicidade
O Within Temptation está confirmado como headliner do Summer Breeze Open Air, no Brasil. Como está a expectativa?

Teremos muito tempo livre quando estivermos indo. Então, espero poder ver um pouco mais do seu lindo país. Eu amo sua música, especialmente a música brasileira típica. E então, sim, só espero ver um pouco mais do que vi no passado. Estou ansiosa por isso.

Legal. Mas você tem algum cantor ou banda que gosta?

Bem, é claro, Sepultura, Angra, você sabe, conheço as bandas mais pesadas, é claro. Não conheço todas as bandas, mas, na verdade, o que comprei da última vez foi mais da música tradicional brasileira. Ouvindo, é como realmente esta música dançante, esse tipo de vibração de verão que vocês têm tanto na sua música.

E é algo que amo colocar no verão, colocar o toca-discos, colocar o vinil e apenas tocar a música, ter um bom vinho e uma boa comida, é uma boa atmosfera. Então, estou ansioso para ouvir isso quando voltar e apenas desfrutar da boa vida do Brasil.

Quais os três álbuns que mais te influenciaram na carreira? Por que?

Acho que as coisas que me inspiraram foram algumas bandas como Dead Can Dance, por exemplo. Sei que Meridian foi uma grande influência para nós quando começamos, preciso escolher cuidadosamente porque há tantas bandas legais que nos inspiraram.

Publicidade

Até Type O Negative, Paradise Lost, todas essas bandas, bandas mais sombrias, góticas, como Dead Can Dance, Clan It Even, Marillion, Metallica, Iron Maiden. Há tantas bandas que amamos e ouvimos. E se você misturar tudo isso, pode ouvir ao longo dos anos alguns dos elementos que amamos e que trouxemos de volta para nossa música.

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Gringolândia

O quinteto australiano The Terrys, sensação da cena local, lançou o segundo álbum da carreira, Skate Pop, na última sexta-feira (30). O sucessor de...

Gringolândia

A banda escocesa The Snuts revelou o terceiro álbum de estúdio, Millennials, que tem como foco temas relacionados à saúde mental. O disco também...

Publicidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos