O que você está procurando?

Válvula de Escape - Pablo Mello

Válvula de Escape #54 – O Terno se renova entre floreios setentistas e orquestrações

Na última vez que escrevi por aqui, ressaltei a ansiedade que sentia pelo novo trabalho do trio O Terno. Pois bem, o álbum saiu.  E sinceramente, é digno de encher os olhos d’água.  O álbum é tão saudosista quanto os demais trabalhos do grupo. No entanto, ainda assim é atual e contemporâneo.  Ao abusar de arranjos de cordas por exemplo, percebe-se uma espécie de clara evolução em relação ao ciclo Melhor Do Que Parece (2016)/Recomeçar (2017), respectivos último lançamento da banda e álbum de estreia solo do vocalista Tim Bernades.

Isso acontece principalmente porque a banda enxerga-se como um motor que atravessa (e com muita facilidade, diga-se de passagem) todos os prováveis fechos que pressupõe-se quando um grupo obtém o formato de um trio de rock, vulgo bateria, guitarra e baixo, entre sua cama instrumental. Ou seja, é regado de orquestração, onde metais e cordas fazem com que soe mais como grupo de apoio. O disco é composto por 12 faixas, sendo que todas, sem exceção, seguem esta prerrogativa.

Continua depois da publicidade

Particularmente, me senti especialmente tocado pela Pegando Leve. A música sintetiza a agonia entre as inevitáveis decisões que somos obrigados tomar  quando estamos com “20 e poucos anos”. Numa única faixa, Tim exalta a confusão jovial  no anseio por pontos que se opõem. Aliás, o cantor recita à si de modo sorrateiro, com Deixar Fugir, Recomeçar e Ai Ai Como Eu Me Iludo.

Velha conhecida

Eu Vou é outra faixa que se destaca no álbum. Já esperava por isso desde meados de 2017, quando a mesma música foi lançada na voz de Paulo Miklos, integrando o repertório do disco A Gente Mora No Agora. Tudo que eu queria naquele momento, ocorrera: uma versão da faixa na voz do seu próprio compositor. Tim é sútil e simultaneamente intenso. Seu timbre sempre foi bonito, mas agora o músico consegue florear melhor, passeando bem entre falsetes e afins. Isto é imprescindível para que esta música soe tão bem, inclusive.

Continua depois da publicidade

Participações mais do que especiais e backing vocals

Admito que nunca imaginara O Terno com backing vocals. Se alguém me contasse que a banda utilizaria este artifício há alguns meses, dificilmente acreditaria na possibilidade disto tornar-se real de fato. No entanto, em , o trio consegue fazê-lo ainda obtendo duas frentes distintas. Em Bielzinho/ Bielzinho, Tim, Biel e Guilherme trazem uma quentura que me remete diretamente ao samba rock de Jorge Ben Jor. Com backing vocals de Ana Frango Elétrico, Luiza Lian, Maria Beraldo, Maria Cau Levy e Tulipa Ruiz somados à um violão pra lá de dançante (além de todo o belo o arranjo), eles fazem essa menção na melodia. A música também me fez recordar Ben devido à sua letra. Já que Tim tira proveito de toda a informalidade possível ao homenagear o próprio baterista do grupo, Biel Basile.

Outra faceta vocal d’O Terno ocorreu em relação às participações especiais de Devendra Banhart e Shintaro Sakamoto na faixa Volta E Meia. Devendra repete os versos de Tim, no entanto cantando em espanhol, de uma forma um tanto sussurrada, é verdade. Já Shintaro, realizo uma espécie de citação, em japonês. Assim, consegue prender a atenção com uma letra que diretamente nos faz pensar nas idas e vindas de um relacionamento.

Conceito visual

É impossível finalizar este texto sem abordar a tocante esfera visual de . A capa contém as três esferas em cores primárias em meio à um branco conceitual. Segundo a banda, isto trata-se de “um horizonte sem limites, representando três caminhos que se unem para a solução da equação na soma desses. A divisão tripartida concretista do nome da banda reforça o conceito, em que o ‘O’ simboliza o indivíduo, o sujeito; o ‘Ter’ remete à bagagem que se carrega, e o ‘No’ à situação, onde se está, para onde ir e de onde se veio”.

Continua depois da publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

C6 Fest

Precisamos falar sobre o Pavement. A apresentação que rolou no último fim de semana, dentro do C6 Fest, foi mais do que um show...

C6 Fest

O C6 Fest acertou em cheio nas escolhas. Mesmo que não fosse possível acompanhar todos os shows na íntegra, ainda dava para conferir um...

C6 Fest

“Vocês querem dançar?”, perguntou com um grito gutural Kayus Bankole, um dos vocalistas do Young Fathers, durante a apresentação da banda no C6 Fest,...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos