Encontre no blog...



BR

Vocalista do Metrô, Virginie Boutaud, se junta a Roberto Gava em videoclipe

Em agosto deste ano, o cantor, compositor e multi-instrumentista Roberto Gava lançou o álbum Bertolt Brecht, com 15 faixas musicadas a partir de poemas do escritor e dramaturgo alemão Bertolt Brecht, traduzidos por André Vallias. O disco conta com diversas participações especiais, que incluem, entre outros, Zezé Motta, Carlos Careqa, Skowa e Virginie Boutaud.

Aliás, a vocalista da banda New Wave, Metrô, divide os vocais com Gava em duas músicas: Troca de Pneu e Canção de amor de um tempo ruim, que ganha nesta terça-feira (21) um videoclipe.

“Se trata de uma canção de amor à la Brecht, sujeita a diferentes interpretações. Para mim revela a história de um casal com seus encontros e desencontros, onde as brigas são esquecidas quando o amor é colocado à tona. A Virginie foi muito sensível na sua interpretação, criou alguns vocalises que originalmente não existiam e deu um colorido superespecial à canção, contrastando com minha voz num casamento perfeito”, revela o músico.

Continue lendo após a publicidade

As filmagens para o videoclipe foram feitas inicialmente em Toulouse, na França, com Virginie, que sugeriu que a ambientação fosse em uma feira livre. Logo depois, foram feitas as imagens de Gava na capital paulista.

“Ao receber as imagens da Virginie, fiz um roteiro de edição e tentei costurar um enredo como se estivéssemos filmando juntos. Tentei ficar no mesmo clima que ela na França e dar um ar homogêneo ao vídeo. A ideia foi mostrar um casal em busca de um encontro que nunca aconteceu de fato. Estranhos, mas apaixonados”.

Virginie surpresa com a melodia

Virginie diz ter se surpreendido positivamente com a melodia, o arranjo e a letra da música. “Quando recebi a canção, achei linda e já coloquei no ‘Garage Band’ para gravar”. A vocalista conta ainda que adora “esta coisa de feira livre”, e reflete sobre a temática da música e a locação do videoclipe.

“Quando estamos ligados por um estado de Amor, por mais absurdo que pareça, não existe tempo ou espaço, e fica esta coisa desta pessoa presente como um leitmotiv, tatuada na mente, um filtro temático. Então é isso, se a gente se encontrasse na feira, nos afazeres do dia a dia, em meio a esta beleza da fartura de alimentos vegetais, coloridos, diversos, fotogênicos, sensuais, energizantes, militantes de alguma forma (rs); se estas pessoas se encontrassem, ou reencontrassem, seja aqui ou lá, como seria? Tipo ‘vou à feira buscar umas batatas e também aquele meu grande Amor’ (rs)”.

Continue lendo após a publicidade

ACOMPANHE

FacebookTwitterInstagramSpotifySpotify
PUBLICIDADE

CATEGORIAS

PUBLICIDADE

Posts relacionados

BR

“Aos que se foram, saudações”, começa Gigante no Mic em Coroa de Flores, novo single da rapper Stefanie, no qual ele participa dividindo os...

BR

O power trio de hard rock Mother Trouble divulgou Waiting for the Thunder, música que escancara a evolução da banda paulistana, com mais linhas...

BR

Sob as dores e os perjúrios de uma separação, Pedro Breculê lançou Vem Ser Comigo, parceria realizada com o músico e jornalista Fábio Marques,...

BR

Desistir não é opção. Sempre em frente, a Burning Rage tem procurado se manter ativa mesmo diante de um cenário tão desolador com a...