Encontre no blog...



Disqueria - Carlos da Hora

Afinal, quem é MF DOOM?

Na tarde da última quinta-feira (31) – último dia de um conturbado 2020 – fomos surpreendidos com o anúncio da morte do rapper MF DOOM. Diversos artistas e fãs do músico prestaram suas condolências assim que a notícia foi dada. Contudo, muitas pessoas também não conheciam o trabalho e a carreira do artista.

Muitos do internautas que nunca tiveram contato com a discografia de DOOM questionavam as manchetes de sites. “Como pode ser um dos maiores sendo que eu nunca ouvi falar dele?”. É um bom argumento, claro. Ainda assim, mesmo sempre tentando se manter longe do mainstream, o rapper fez por merecer e nos deixa como um dos maiores da história no cenário do hip-hop mundial.

MF DOOM

Voltando para o dia 9 de janeiro de 1971, nascia em Londres, Daniel Dumile. Filho de pais imigrantes, o garoto se mudou para Nova York ainda muito novo. Aliás, mesmo nunca tendo se naturalizado, Dumile nunca escondeu seu grande amor pela cidade.

Continue lendo após a publicidade

Sua carreira começou em meados de 1988, quando formou o grupo KMD, junto de DJ Subroc, seu irmão caçula, e Rodan. Na época, Daniel era Zev Love X.

O grupo chegou a produzir dois discos em estúdio (Mr Hood e Black Bastards). Infelizmente, puco antes do lançamento do segundo álbum, Subroc morreu após ser atropelado. Black Bastards foi arquivado – tendo sido lançado apenas alguns anos depois – e DOOM retirou-se do cenário do hip-hop.

On Doomsday!, ever since the womb ‘til I’m back where my brother went, that’s what my tomb will sayMF Doom na faixa Doomsday

O rapper chegou a viver nas ruas por algum período e só foi se estabelecer novamente quando se mudou para Atlanta. Em entrevistas, Dumile conta que este período da sua vida foi necessária para ele “se recupar das feridas causadas pela indústria musical”.

Em 1997, Daniel reencarnou no cenário como MF DOOM, o pseudônimo faz alusão a sua máscara, muito semelhante a usada por Doctor Doom, vilão das HQs da Marvel Comics. São poucas explicações em torno da decisão do músico de usar o objeto para esconder parte do rosto. Contudo, muitos acreditam que trajado, o rapper se posiciona como inimigo, não só da indústria da música, mas também de construções de identidade dominantes até os dias atuais.

Continue lendo após a publicidade

Seu disco solo de estreia, intitulado Operation: Doomsday, lançado no final da década de 1990 foi um sucesso. Além dos vocais, o artista também produziu todas as faixas do trabalho.

King Geedorah

Em 2003, Dumile divulgou mais álbum, Take Me To Your Leader. Nesse, Daniel é creditado como King Geedorah. Aliás, o projeto só conta com quatro músicas cantadas por ele. O restante, os vocais ficam por conta de outros MCs convidados.

Viktor Vaughn

Como Vikor Vaughn, Daniel lançou Vaudeville Villain. Justamente por conter uma assinatura diferente, o projeto é conhecido por poucos fãs do artista.

Uma curiosidade bacana é que Vaughn também é creditado em Fancy Clown, faixa do disco Madvillainy.

Continue lendo após a publicidade

Madvillain

Aqui chegamos no que muitos consideram o ponto alto da carreira de MF DOOM. Em 2004, junto do produtor Madlib – que sampleou diversas músicas brasileiras no álbum, mas isso é assunto para outro artigo – Dumile criou o Madvillain.

Juntos, a dupla lançou apenas um registro, através da Stones Throw Records. Intitulado Madvillainy, o álbum foi aclamado pela crítica e até hoje é conhecido como o maior trabalho feito na cena do hip-hop underground. As 22 faixas do álbum serviram de inspiração para inúmeros rappers que estavam iniciando a carreira na época.

Pós-Madvillain

Em síntese, o músico ainda lançou mais dois discos solo. MM…FOOD (2004) e Born Like This (2009).

Sua última década foi marcada por diversos trabalhos colaborativos, como o álbum Key To The Kuffs e Czarface Meets Metal Face.

Continue lendo após a publicidade

Despedida para MF DOOM

Por fim, gostaria de registrar minha despedida a Dumile. Conheci seu trabalho por volta de 2015 e foi a minha porta de entrada no cenário. Alguns dos discos citados aqui entram facilmente no meu top 20 da história.

Sua missão foi concluída com êxito MF DOOM. Muito conhecido por ser ‘vilão’, para mim – e para muitos outros – foi herói. Obrigado.

Registo feito durante as gravações do Madvillainy. Na foto podemos ver a máscara de MF DOOM junto do LP Black Bastards, feito pelo KMD

ACOMPANHE

FacebookTwitterInstagramSpotifyYoutube
PUBLICIDADE

CATEGORIAS

PUBLICIDADE

Posts relacionados

Gringolândia

Foi anunciado nesta quinta-feira (31), a morte do rapper Daniel Dumile – mais conhecido como MF DOOM. O informe que pegou todos de surpresa...

Juntos Pela Vila Gilda

O álbum do rapper Cres, de Santos, deve sair ainda neste semestre. Intitulado Uma História Comum, ele irá retratar suas vivências na produção. O...

Juntos Pela Vila Gilda

O rapper T h está entre os 120 nomes de artistas que participam da iniciativa Juntos Pela Vila Gilda. Para ele, a sua contribuição...

Juntos Pela Vila Gilda

O rapper Slick, de Guarujá, é uma das atrações confirmadas para a ação Juntos Pela Vila Gilda, do Blog n’ Roll. Como artista, ele...