O que você está procurando?

Crédito: Pedro Loreto

Entrevistas

Entrevista | Paula Toller – “Hoje sou dona do meu tempo”

Comemorando os 40 anos de carreira, mais precisamente do lançamento do primeiro álbum do Kid Abelha, Seu Espião (1983), Paula Toller retorna a Santos, onde fez suas primeiras apresentações, antes mesmo da chegada do debute. O show será no sábado (13), às 21h30, no Blue Med Convention Center (Praça Almirante Gago Coutinho, 29, Ponta da Praia). Ainda há ingressos disponíveis no site Ícones. 

Na atual turnê de sua carreira solo, Paula Toller revisita os grandes clássicos da banda, além de apresentar muitas de suas canções pós Kid Abelha.

O retorno a Santos é especial. Assim como Titãs, Paralamas, Herva Doce, Barão Vermelho, Ultraje a Rigor, entre outros nomes marcantes do rock nacional dos anos 1980, o Kid Abelha também se apresentou na lendária Heavy Metal, casa de shows que marcou época no início daquela década.

Continua depois da publicidade

Ainda como Kid Abelha e os Abóboras Selvagens, Paula Toller e companhia deixaram uma ótima impressão para os fãs santistas. A partir dali, uma história de cumplicidade entre público e banda permaneceu, com shows em vários clubes, incluindo outra casa nostálgica, o Caiçara Music Hall.

Nos tempos da Heavy Metal, o Kid Abelha, apesar de não ter um disco lançado, já contava com uma participação na coletânea Rock Voador (Warner Music) e alguns bons singles, como Distração, Pintura Íntima e Por Que Não Eu?

Mesmo com a tour alusiva aos 40 anos de carreira, Paula Toller, hoje com 61 anos, olha pra frente. Em breve lançará um registro audiovisual da atual turnê, Amorosa, com participações especiais de Luísa Sonza, Roberto Menescal e Fernanda Abreu.

Na semana passada, aliás, revelou o single com Luísa Sonza, a clássica Nada Sei. “A performance com Luísa em Nada Sei foi explosiva e levantou o público! Senti uma conexão musical e emocional com ela, nossas vozes combinaram bem demais. Foi um dos grandes momentos do show”, comenta a cantora.

Continua depois da publicidade

“Fernanda Abreu e Luísa Sonza, estrelas de duas gerações diferentes, e Roberto Menescal, um monstro sagrado da nossa música. Além da admiração que tenho por eles,  há também uma ligação afetiva com cada um ao longo da minha trajetória”, completa Paula Toller.

Enquanto se prepara para o show em Santos, Paula Toller concedeu uma entrevista para o Santa Portal sobre o show, Kid Abelha e lembranças de Santos. Confira abaixo.

Sua conexão com Santos é duradoura. Com o Kid Abelha, você chegou a se apresentar na Heavy Metal, uma casa que virou lendária para os santistas. Você recorda algo desses primeiros shows do Kid Abelha em Santos?

A Heavy Metal estava sempre lotada nos nossos shows.  Lembro também de fazer guerra de gelo no camarim… Doía um pouco, mas era divertido, éramos bem novinhos.

Como é o repertório do show que será apresentado em Santos? É uma mistura da carreira solo com os hits do Kid Abelha? O que você pode adiantar sobre isso?

O show é uma antologia da minha carreira, tem uma quantidade enorme de sucessos, tanto da época do Kid quanto da carreira solo. A banda é um espetáculo à parte, ainda mais com a direção musical e a participação de uma lenda viva como Liminha no violão.  Os cenários foram criados pelo consagrado Gringo Cardia, e apresentam imagens exuberantes do pintor modernista Genaro de Carvalho.

Continua depois da publicidade
Na última sexta, você divulgou Nada Sei com a Luísa Sonza. O single faz parte de um projeto que também conta com participações do Menescal e da Fernanda Abreu. Como foi reunir esses artistas de gerações distintas? O que mais pesou na hora das escolhas?

São artistas de diferentes gerações e todos têm uma interseção afetiva comigo.  O single com a Luísa está explosivo, levantou o público no dia da gravação.

Recentemente, tivemos uma turnê de reunião do Titãs que teve grande repercussão no Brasil todo. Isso passa pela sua cabeça com o Kid Abelha? Demanda com certeza tem de sobra. 

Obrigada pelo comentário, mas agora estou 100% dedicada à turnê Amorosa.

Tem algo que você mudaria na sua carreira? Alguma escolha que considera errada e que poderia ter sido melhor?

Não mudaria muita coisa, fiz escolhas muito conscientes, nunca me dobrei às demandas de mercado e hoje sou dona do meu tempo. 

Vejo que a garotada está sintonizada com as músicas, nas redes sociais, tocando violão, piano…

Continua depois da publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Entrevistas

Apontada pela Alternative Press com uma das 100 bandas que o público precisava conhecer em 2023, The Funeral Portrait passou os últimos meses marcando...

Agenda

Com um recém-lançado álbum de estúdio, o décimo da carreira, a banda escocesa Travis volta ao Brasil após 11 anos da estreia no país...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos