Nossas redes

O que você está procurando ?

A banda Depois da Tempestade posa para foto em Santos.
A banda Depois da Tempestade posa para foto em Santos.

Entrevistas

Entrevista | Depois da Tempestade – “Não tem essa de ano perdido”

Depois da Tempestade é um nome carimbado por aqui. Formada em 2012, em Santos, a banda é contemporânea do Blog n’ Roll. Atualmente a formação conta com Victor Birkett (voz), Mily Taormina (baixo e voz), Gutto Albuquerque (guitarra), Bruno Andrade (bateria) e Maru Mowhawk (teclado).

Iniciando no metalcore e hoje pisando no rock alternativo, o grupo adquiriu em oito anos de carreira inúmeras influências, como o alt-pop e a música latina.

Só para ilustrar, hoje a Depois da Tempestade carrega em sua trajetória 3 EPs, 1 álbum de estúdio, 2 faixas acústicas, 3 singles inéditos, 1 cover e 1 remix. Está bom para você assim?

Publicidade

Entre contos de aventuras da carreira, lives com outros artistas e até lançamento de remix, a banda não ficou parada durante esta pandemia. Além disso, divulga seu roteiro semanal de stories no Instagram e a todo momento interage com seus fãs.

Confira a seguir a entrevista que fizemos com o vocalista da Depois da Tempestade, Victor Birkett.

Nessa época de quarentena, vocês estão bem ativos nas redes sociais. Lançaram cover da Bayside Kings, fizeram lives com outros artistas e estão interagindo com os fãs. Houve retorno para a banda? Se sim, como tem sido?

Acredito que nossa atividade nas redes sociais já está vindo em um ciclo forte desde os últimos meses do ano passado. Pudemos notar a resposta imediata do público no único show que fizemos em Santos em 2020, em janeiro, na Tenda da praia do Embaré. Foi justamente o evento onde éramos atração principal e que mais atraiu gente até hoje.

A situação da quarentena acabou vindo como um choque depois desse momento promissor, mas consequentemente manteve e intensificou o contato com nossa fanbase gerando uma formação natural de novos fãs e seguidores. Mesmo com todos os contratempos, esse foi o ano onde mais nos escutaram no Spotify, por exemplo.

Publicidade

Já na metade de 2020 superamos os ouvintes de todos os outros anos contabilizados juntos, desde 2015, que foi quando entramos na plataforma. Além desse ter sido o ano que mais vendemos produtos online. Acreditamos que quando voltarmos aos palcos poderemos sentir essa força virtual se transformando em força orgânica e real.

https://www.instagram.com/tv/CCJxarIpGnA/?hl=pt-br

Em maio vocês lançaram o remix de Máscaras de Oxigênio em parceria com o produtor the.lazyb. Quais os próximos planos para a banda? Terão mais novidades neste ano?

Estamos com um material quase pronto para ser gravado, mas ainda precisamos de alguns meses de sessões de ensaio com o produtor musical, André Freitas, que foi responsável tanto pelo nosso EP Mutáv3l, quanto pelo disco Multiverso.

Conversamos e chegamos à conclusão que já que esperamos tanto para esse lançar esse novo EP ou disco, não teria lógica correr para lançar ele agora.
Guardamos para o momento ideal, que pode até mesmo ser no ano que vem.

O remix com nosso amigo the.lazyb já foi uma das consequências e soluções da quarentena e recebemos um retorno bem positivo do nosso público, que se mostrou aberto a esse tipo de experimentação, que pode voltar a ser usada em breve.

Publicidade

Estaremos trabalhando no formato single pelo restante do ano, mas não vamos falar de datas antes de termos faixas prontas. Queremos nos manter o mais ativos e emergentes que conseguirmos. Não tem essa de ano perdido, 2020 foi um dos anos mais importantes para nós até hoje. Foi uma espécie de consolidação. Queremos aproveitar o momento e esperar pelos próximos anos.

Por último e não mais importante, a Depois da Tempestade irá participar do evento Juntos Pela Vila Gilda. O que vocês pensam sobre a importância de projetos beneficentes fazerem o mundo olhar e ajudar a região?

Foi um convite recebido com muito carinho por nós. Se podemos oferecer serviço através da arte e isso for pago trazendo frutos positivos para milhares de pessoas, é sinal que nosso papel como artista foi cumprindo, né?

Gostamos de pensar em toda essa conexão e força que a música tem. Fazer parte disso é continuar uma corrente de paz, amor e liberdade que tantos ídolos nossos fizeram no passado e fazem até hoje.

As presenças nacionais, internacionais e regionais só abrilhantaram o movimento. Toda a nossa prestação de respeito a cada um que está passando dificuldades nesse momento.

Publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

BR

O Bayside Kings soltou o dinâmico videoclipe da música Entre a Guerra e a Paz, com recortes de imagens reais e cenas da banda...

BR

As forças complementares da existência são escancaradas e dilaceradas em quatro novas músicas que a banda Bayside Kings apresenta no EP Dualidade, um lançamento...

BR

O quarteto hardcore/punk Bayside Kings lança via Repetente Records (selo criado e administrado por Badauí, Phil Fargnoli e Ali Zaher, músicos do CPM 22,...

BR

A banda Depois da Tempestade volta à cena com seu segundo disco de estúdio, Luto por Esperanza, com produção de André Freitas e disponível...

Publicidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos