Encontre no blog...



TV e Cinema

Entrevista | Rodrigo Santoro – “A preservação vem da admiração e respeito”

Após um ano de espera, desde a estreia nos Estados Unidos, a plataforma de streaming Disney+, enfim, chega ao Brasil. Em sua base, disponível a partir desta terça-feira (17), um grande acervo da Disney, Pixar, National Geographic, Marvel e Star Wars.

Uma das estreias é Sobrevoando, da National Geographic, que traz o ator Rodrigo Santoro como dublador. Em resumo, a docu-série explora a geografia, história e cultura de oito regiões deslumbrantes da América Latina vistas de cima, com imagens em alta definição, histórias desconhecidas e curiosidades sobre a diversidade natural e cultura de cada uma das regiões.

O ator e dublador Rodrigo Santoro conversou com o Blog n’ Roll sobre a produção, além do desafio de dublar algo tão diferente.

Continue lendo após a publicidade

No primeiro episódio de Sobrevoando, a Península de Yucatán, que abrange México, Belize e Guatemala, é o destaque. Você chegou a viajar para lá?

Eu já estive em uma cidadezinha na Península de Yucatán há uns cinco ou seis anos atrás, talvez mais até. Fiz um filme lá, num lugar que tinha umas locações incríveis, não esqueço. Quando vi o nome do lugar na lista do programa, fiquei bem empolgado. A ideia dessas tomadas aéreas me dá uma dimensão muito interessante do nosso tamanho nesse planeta.

Você entende melhor o quão é poderoso, potente, as paisagens, esculturas. É uma união interessante com as paisagens, fauna, flora, vegetação, mas você tem também a cultura, os pescadores, um recorte que mistura de maneira muito feliz essa mistura de história, geografia, costumes, línguas, dá uma noção muito interessante desses lugares. Você vai precisar ir lá para conhecer o lugar, mas é um belo de um teaser.

Algo que chama muita a atenção nessa produção é a preservação dos patrimônios históricos e naturais. Visto do alto, isso fica muito mais evidente.

É uma questão, felizmente, cada vez mais discutida. Você preservar a biodiversidade é você respeitar todos os mecanismo que favorecem a existência humana. É quase matemática. Se você não preservar… A preservação vem da admiração e respeito.

Acho importante despertar, o programa presta esse serviço, ele deslumbra o telespectador, convida a mergulhar nas riquezas desse lugar, logo isso vai gerar uma empatia, admiração para que isso continue existindo.

Continue lendo após a publicidade

Você tem o hábito de pesquisar bastante sobre os lugares quando realiza suas viagens pessoais ou busca o descanso?

Quando viajo para descansar, procuro seguir esse objetivo. Afortunadamente viajo bastante a trabalho. E nunca é só trabalho. Sempre tenho tempo livre e sou essa pessoa que quer conhecer as particularidades históricas, culturais e ter a oportunidade de ter a experiência de estar naquele local.

Eu prefiro escolher e conhecer um lugar a fotografar os pontos turísticos. Prefiro ir no boteco e conversar com um local. O artista é um observador de conhecimento.

Quais as principais diferenças entre dublar uma docu-série e um personagem de animação, como você fez em Rio e Rio 2?

A única semelhança é trabalhar tendo como veículo de expressão apenas a voz. As animações que fiz, por exemplo, participei do começo, quando você é gravado. A animação é feita inspirada nos seus movimentos. Você, em conjunto, cria o personagem. É diferente.

Num trabalho de voz over, trazer a voz para narrar um espetáculo, um atrás do outro, riquezas, particularidades,são movimentos que a voz tem que acompanhar. Às vezes é mais intimista, às vezes tem um escopo maior, você estava vendo uma natureza gigante, o mar, o rio que corre, o trabalho é muito guiado pelo o que você está vendo. O personagem é a natureza. Basicamente é uma adequação, deixo que a imagem fale. Não quero impor um ritmo ou uma forma de fazer.

Continue lendo após a publicidade

Mas teve algum desafio com Sobrevoando?

Teve um desafio linguístico. Existem alguns dialetos e tive todo o prazer do mundo de falar. São palavras preservadas, dialetos, relíquias históricas. Muito interessante. Até para falar, o tom da voz muda. Por exemplo, quando vou falar espanhol, um tom de voz é uma, inglês é outro, português idem. A embocadura tem que se adaptar à musicalidade da língua. É o material que manda.

ACOMPANHE

FacebookTwitterInstagramSpotifyYoutube
PUBLICIDADE

CATEGORIAS

PUBLICIDADE

Posts relacionados

TV e Cinema

Beleza Negra, uma reinvenção moderna do clássico atemporal de Anna Sewell, chega ao Disney+ no próximo dia 18. Aliás, o trailer foi divulgado no...

Falando Série - Lucas Krempel

Muita gente correu para os clássicos quando o Disney+ chegou ao Brasil, mas vale ficar de olho em algumas produções não tão badaladas. Me...

TV e Cinema

Fada Madrinha (Godmothered), filme novo de Isla Fisher e Jillian Bell, poderá ser visto a partir de 4 de dezembro, exclusivamente no Disney+. Ademais,...

Especiais

No início do século 21, pouco antes do terrível ataque às torres gêmeas do World Trade Center, Nova York foi palco para várias bandas...