Nossas redes

O que você está procurando ?

100 bandas para você conhecer do cenário hardcore de Santos

62 – Safari Hamburguers

“Descarregar nossa indignação e ódio aos políticos e injustiças através de um tipo de som que gostamos, além de tentar passar mensagens positivas nas letras”. É dessa forma que o guitarrista Antonio Atibaia resume o surgimento da Safari Hamburguers, uma das bandas mais importantes da história do hardcore nacional.

Formada em 1991, após o término da Psychic Possessor, a Safari Hamburguers tinha em sua primeira formação Marcílio (vocal), Zé Flávio (guitarra), Antonio Atibaia (guitarra), Jota (baixo) e Marcus (bateria).

Publicidade

“Éramos influenciados por bandas americanas como Bad Brains, Gorilla Biscuits, Dag Nasty, Fugazi, 7 Seconds, Minor Threat, Circle Jerks e algumas coisas da Europa como Spermbirds, Upright Citizens”, explica Atibaia. “As bandas brasileiras da época serviram de inspiração para mostrar que era possível fazer algo positivo dentro do hardcore”, completa.

Em quase 25 anos de carreira, entre idas e vindas, a Safari Hamburguers lançou duas demo tapes e dois álbuns. Violência Urbana, logo no início da carreira, contava com 11 faixas cantadas em português, com forte influência de hardcore old school.

E foi com Violência Urbana que a banda passou a se apresentar no cenário regional e do Interior de São Paulo. Nesse período, também, teve suas primeiras modificações na formação. Saíram Marcílio e Marcus, entraram Alexandre Farofa (Garage Fuzz) e Arthur Vonbarbarian (Vulcano), respectivamente.

Com o time modificado, a Safari Hamburguers gravou seu segundo registro, mais uma demo tape, desta vez com canções em inglês apenas.

Publicidade

Mas foi após a assinatura de contrato com a Cogumelo Records que a banda alcançou seus maiores feitos. Em maio de 1993, a Safari lançou o clássico LP Good Times, com 13 faixas inéditasEra o que faltava para estourar de vez nos festivais independentes, como Junta Tribo, Rock Contra a Aids e Barulheira.

Além da participação nos principais eventos do cenário underground, a Safari teve um momento histórico, no Paraná, segundo Atibaia. “Tocamos em Londrina, em 1993, com a casa lotada. Não tinha mais nenhuma outra banda, somente o Safari”.

A tal “fama” da Safari no cenário independente rendeu histórias curiosas. Uma delas é lembrada até hoje por Atibaia. Durante um dos shows da banda no Hitchcock, em Santa Bárbara D’Oeste (SP), os integrantes foram surpreendidos por um grupo de fãs. “Eles viajaram de uma cidade vizinha, de bicicleta, para ver o show e um dos moleques pediu autógrafo em inglês, com o LP na mão, achando que a banda fosse gringa”.

Publicidade

Mas aquele momento explosivo da Safari não durou muito tempo. Após mais algumas mudanças na formação, a banda decidiu encerrar as atividades em 1996. Foram dez anos sem fazer shows ou gravar material. Isso, no entanto, não reduziu em nada a influência dos caras sobre outras bandas nacionais.

“Honestidade e fazer o que gosta sem se preocupar em agradar ou não. Fazemos o que gostamos e continuaremos enquanto a vontade de fazer existir”, diz Atibaia sobre o que foi fundamental para o grupo virar uma referência no cenário independente.

Vale destacar a quantidade de músicos que passaram pela Safari. Além dos citados acima, Artur (Chemical Dissaster), Grego (Lobotomia), Guilherme (Street Bulldogs) e Marcelo (Coffin Joes) também fizeram parte desse timaço do hardcore santista.

O retorno, em 2006, contou com mais algumas alterações na formação. Além de Atibaia, a banda passou a contar com algumas figuras conhecidas do cenário underground, como Porto (ex-vocalista do White Frogs), Diogo Derra (ex-baixista do Overjoyed) e Fabio (bateria).

Publicidade

A volta da Safari não era apenas para shows comemorativos ou coisas do gênero. O grupo voltou disposto a ampliar o seu legado. Um ano depois lançaram o CD Who is Your Enemy Anyway?, com sete músicas inéditas, uma regravação de Shelter of a Fool, que saiu apenas em uma coletânea, além de todo o LP Good Times, remasterizado como bônus.

Recentemente, a banda voltou aos estúdios para preparar um novo álbum. Maurício Boka, baterista do Ratos de Porão, assumiu as baquetas. Alguns imprevistos, no entanto, deixaram o trabalho sem prazo para lançamento. Vamos aguardar!

Good Times (1993)

Who is Your Enemy Anyway (2007)

Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Publicidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos