Nossas redes

O que você está procurando ?

Geral

Santos, celeiro de bons bateristas: Da praia para o mundo

Viver de música e unir a paixão com o trabalho é o sonho de quase todos os jovens músicos. Alcançar esse objetivo parece algo distante, mas muitos representantes da Baixada Santista mostram que é possível sim vencer na área e seguir carreira em grandes bandas. E quando o assunto é bateria, os resultados são ainda mais animadores. Prova disso é que, nos últimos anos, alguns bateristas da região entraram ou tocaram com artistas de renome, como Jorge Ben Jor, Ivete Sangalo e até Rihanna.

No início deste ano, o santista Ric Moraes, por exemplo, chamou a atenção ao participar do videoclipe da música Farol, de Ivete Sangalo. O que poucos sabem é que Ric iniciou sua trajetória cedo, aos 15 anos. Hoje, aos 29 anos, ele começa a colher os frutos após muita dedicação.

Publicidade
ricmoraes

Ric Moraes durante gravação de ‘O Farol’, vídeo de Ivete Sangalo

 

“Sempre achei importante ter foco no meu objetivo. Procurei fazer novos contatos e encarei todos os projetos com muito profissionalismo e respeito. Dediquei meu tempo ao aprimoramento contínuo na prática do instrumento”, diz Ric. Em 14 anos de carreira, o santista já tocou com outros músicos como Amanda Acosta (Trem da Alegria), Cleverson Luiz (Da Melhor Qualidade) e Lena Papini (Bula).

Mas Ric não é o primeiro e nem será o último baterista santista de destaque. Desde os anos 1970, Raimundo Vigna acompanha grandes nomes da música popular como Moacyr Franco, Agnaldo Rayol, Nelson Ned, entre muitos outros.

A trajetória de Vigna, hoje com 64 anos, começou na adolescência, com apresentações em prostíbulos na Boca de Santos, quando tinha como público marinheiros estrangeiros e prostitutas. “Aquela atmosfera era incrível. Toquei em mais de 80 países, passei pelo Madison Square Garden (Nova Iorque), mas nada se compara”.

Com 35 anos de idade e na ativa desde os 18, Lucas Real é outro bom exemplo de santista que consegue viver da música com êxito. Integrante da banda do Zé Pretinho, que acompanha Jorge Ben Jor, o músico afirma ser autodidata. “Tenho alguns gurus que abrem meus caminhos. A maior parte deles são bateristas que eu acompanhei quando era roadie. Os únicos professores são Neném Da Cuíca e Jorge Ben Jor”, diz ele, que também toca no Zebra Zebra.

Publicidade

Gus Conde, de 36 anos, é ainda mais precoce. Aos 7 anos já tinha uma bateria em casa. Além de baterista, o músico é criador do método de bateroterapia, em conjunto com o Sesc Brasil, onde atua em uma mistura de bateria e fisioterapia para idosos.

Além da bateroterapia, Conde formou a banda Odum em Los Angeles, e chegou a tocar com a cantora Rihanna, no American Music Awards e em gravações. “Quando fui para os Estados Unidos, não conhecia nada nem ninguém, mas foi a necessidade de fazer acontecer, por não ter nenhuma outra escolha, que me puxou aos limites e fez com que eu conseguisse enxergar somente a possibilidade de dar certo lá. O conhecimento de nossa música (samba, baião, axé, forró, maracatu) abriu portas”.

Bruno Graveto (ex-Charlie Brown Jr e Strike), Pedro Tinello (Almah), André Pinguim (Bula) e Rafa Borba (Aliados) são outros três grandes nomes da região envolvidos em bandas consagradas.

Continua aqui

Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Publicidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos