Nossas redes

O que você está procurando ?

TV e Cinema

Crítica | A Freira 2

Engenharia do Cinema

Quando foi lançado há exatamente cinco anos, “A Freira” conseguiu bons números de bilheteria (custou US$ 22 milhões e lucrou US$ 365.58 milhões mundialmente), mas fracassou no gosto do público e crítica. Assim como “Annabelle” (que melhorou totalmente em seu segundo filme), ficou perceptível que o produtor James Wan ouviu os fãs e em “A Freira 2“, ele literalmente mais uma vez corrigiu grande parte dos erros e nos entregou uma obra superiora, mas não tão perfeita ainda.

A história tem inicio algum tempo depois do término do antecessor, com a Irmã Irene (Tessa Farmiga) tentando viver uma vida comum em seu convento. Mas tudo muda quando ela é chamada pela própria chefia da Igreja, para ir até uma região da França, com o intuito dela tentar desvendar o misterioso assassinato de um Padre, pois ele pode estar atrelado com a maligna entidade da Freira (Bonnie Aarons).

Publicidade

Imagem: Warner Bros Pictures (Divulgação)

Novamente assumindo a direção de um título da franquia “Invocação do Mal“, o cineasta Michael Chaves realmente demonstrou ter um amadurecimento maior em relação aos seus trabalhos antecessores (que foram “Invocação do Mal 3” e “A Maldição da Chorona“), pois ele muda o tom de amadorismo por algo mais sério e pé no chão. Embora ele apele para um pouco para recursos já utilizados porcamente por Hollywood (como o excesso de cenas escuras, onde não conseguimos ver quase nada da ação), ele usufrui de algumas cenas inteligentes (vide a divertida sequência das revistas que formam a imagem da Freira).

Outro detalhe bastante interessante, é o cuidado que o roteiro de Ian Goldberg, Richard Naing e Akela Cooper tiveram, na retratação de deixarem os fatos mais verídicos o possível, como por exemplo, uma breve cena que mostra a Irmã Irene sendo convocada pelo próprio Vaticano, para ingressar nesse “reencontro” com a Freira (algo que realmente só poderia acontecer, se houvesse essa convocação e autorização). Estes pequenos detalhes, que no contexto da veracidade, que fazem a diferença.

Mesmo sendo a cara de sua irmã Vera Farmiga (protagonista da trilogia original), Taissa Farmiga está mais à vontade no papel da jovem irmã Irene e apesar do roteiro ainda não fazer ela ter um perfil digno, para torcermos como a imagem central dessa franquia (acredito que em um potencial terceiro longa, isso será consertado), dentro da premissa ela convence.

Mas infelizmente não posso dizer isso sobre Storm Reid (“Euphoria“), que no papel da Irmã Debra, pela qual só aparece para ser um ombro daquela e inclusive tem um arco que chega a parecer que foi tirado do filme “Esqueceram de Mim” (principalmente com os gritos de uma menina, que chegam a ser hilários de tão bizarros).

Publicidade

Sendo bastante superior ao seu antecessor, “A Freira 2” consegue entreter dentro de sua premissa. Porém, ainda apresenta alguns descuidos habituais do gênero.

Posts relacionados

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Com o primeiro filme tendo rendido cerca de US$ 530 milhões mundialmente, tendo custado apenas US$ 130 milhões para a Warner...

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Sendo uma das franquias mais lucrativas do cinema, “Magic Mike” nasceu de uma ideia descompromissada entre Channing Tatum e Steven Soderbergh,...

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Depois do sucesso de “Me Chame Pelo Seu Nome“, era inevitável que o diretor Luca Guadagnino e o ator Timothée Chalamet...

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Realmente estamos falando de um projeto um tanto que polêmico, uma vez que muitas pessoas desviaram a atenção do longa para...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos