O que você está procurando?

Blog n' Roll na AT - Lucas Krempel

“Rock in Rio salvou a minha vida”, diz Marcão. Confira as expectativas dos santistas

Se você ainda duvida da força do cenário musical de Santos, certamente precisa estar mais atento. Na última terça-feira (3), o Rock in Rio anunciou três nomes influentes da Cidade no Palco Supernova: Zimbra, Dani Vellocet e Bula. Eles se juntam ao projeto Tamo Aí Na Atividade (Charlie Brown Jr), que tocará no Palco Sunset.

Cada uma das três novidades guarda uma lembrança do festival. Confira algumas delas abaixo.

Zimbra

Eleita a banda mais influente da região no Século 21, em pesquisa recente do Blog n’ Roll, a Zimbra quase tocou no festival, em 2013.

Continua depois da publicidade

“A gente bateu na trave quando participamos de um concurso promovido pela Oi. Seis anos depois estaremos lá a convite do próprio festival. É muito louco olhar pra trás e ver como as coisas andaram bem desde então”, comenta o vocalista, Rafael Costa, o Bola.

O músico conta que o convite para o Rock in Rio é uma realização profissional e pessoal.

“Nós recebemos o convite junto com uma tonelada de pedidos de documentos. Após a correria para providenciar tudo, estávamos só aguardando a confirmação”.Rafael Costa, vocalista da Zimbra

Com experiência de ter tocado no Lollapalooza e na CCXP, a Zimbra promete fazer o show mais emocionante e visceral da carreira.

“No repertório, muito provavelmente, vamos mesclar músicas de todos os nossos trabalhos gravados até hoje. Será especial”.

Continua depois da publicidade

A Zimbra tem três discos de estúdio lançados: O Tudo, O Nada e o Mundo (2013), Azul (2016) e Verniz (2019).

Seus principais sucessos vieram do disco de estreia. As faixas Viva, Missão Apolo, Amanhã e Orfanato têm mais de 2 milhões de plays, cada, no Spotify. Sendo que a primeira acumula mais de 6 milhões.

A apresentação da Zimbra no Rock in Rio será no último dia do festival: 6 de outubro.

Dani Vellocet

Também integrante do top 10 dos artistas mais influentes da região no século 21, Dani Vellocet debuta no Rock in Rio. Ela canta um dia antes da Zimbra.

Continua depois da publicidade

“Fiquei chocada! Não esperava. Sabia que tinha o palco novo, mas já tinha passado meio o prazo de quando eles iam escolher as atrações. Mas depois de um tempo, o meu empresário ligou e disse que eu estava dentro”.

Dani conta que uma coincidência deixou o evento ainda mais especial. “5 de outubro era o único dia que consegui ingresso. Já tinha esgotado, corri atrás de vários lugares e consegui com uma rádio. Minha mulher é muito fã de P!nk. E, agora faço parte do lineup”.

Para o show, Dani, que já possui uma carreira longeva em outras bandas, promete uma atenção especial para os singles do primeiro disco solo, Amores.

“Vamos tocar com muita energia. Eu quero me divertir e me sentir no Rock in Rio. Vou realizar um sonho”.

Continua depois da publicidade

A ex-vocalista da Mecanika, inclusive, guarda várias lembranças do festival. De assistir ao Guns n’ Roses em 1991, pela Rede Globo. E, na última edição, acompanhando do palco a mesma banda, pertinho de Axl Rose.

“A carreira de artista é complicada. Lidamos com altos e baixos, faz, faz e não chega em lugar algum. Mas chega uma notícia dessa e salva o seu coração”.Dani Vellocet

Bula no Rock in Rio

No dia 3 de outubro é a vez da Bula marcar presença no mesmo palco. Ex-guitarrista do Charlie Brown Jr, Marcão Britto não esconde a alegria.

“A sensação é como ser convocado pra jogar na seleção brasileira do rock! A gente ficou muito feliz com o convite e acho que veio na hora certa pra coroar um trabalho intenso que foi a construção do Realidade Placebo, nosso segundo disco, lançado em abril”.

Tal como a Zimbra, a Bula também tem uma participação no Lollapalooza Brasil. Ambos se apresentaram no mesmo ano, em 2015.

Continua depois da publicidade

Marcão afirma que o set será uma mescla de faixas do último álbum e as “preferidas da galera”. “Quem tiver a oportunidade de ir, estamos preparando uma grande surpresa”.

O vocalista e guitarrista recorda com carinho de uma passagem pelo festival. Para ele foi uma espécie de terapia após as mortes dos ex-companheiros de banda, Chorão e Champignon, em 2013.

“O Rock in Rio salvou a minha vida, depois de perder os caras em 2013. Foi com um convite para tocar no mesmo ano, no Palco Mundo, que me reconectei de vez com a minha missão, com a energia dos fãs e com o que eu mais amo fazer que é tocar. Aquilo me emocionou demais, mexeu muito comigo. Sai dali sabendo o que tinha de fazer. Me deu forças pra montar a minha própria banda, a Bula, por isso ele tem uma lembrança e importância pra mim que vai além do que ele próprio já representa”, comenta o músico. Marcão Britto, vocalista e guitarrista da Bula

Continua depois da publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos