Encontre no blog...



TV e Cinema

Crítica | Imperdoável

Engenharia do Cinema

Esta é uma das diversas produções da Netflix que sofreram por conta da pandemia. Com as gravações iniciadas no início de 2020, elas foram interrompidas e retornadas apenas no final do mesmo ano. De imediato parecia que a plataforma iria investir bastante nas indicações nas premiações e ao Oscar, para a atriz Sandra Bullock (que repete a parceria com o serviço, após o sucesso de “Bird Box“). Só que ao conferir “Imperdoável“, fica nítido que o efeito dele é o mesmo de “Era Uma Vez em Hollywood“, cuja produção foi feita com propósito de conquistar premiações no último ano (tanto que Glenn Close conseguiu uma indicação ao Oscar). E dependendo do seu ponto de vista, isso pode ser prejudicial.

Baseado na série televisiva de Sally Wainwright, a história mostra a ex-presidiária Ruth Slater (Bullock), que após ter cumprido pena por ter assassinado um policial, ela acaba sendo solta por bom comportamento. De imediato, ela começa uma busca por sua irmã, que foi adotada por uma nova família. Ao mesmo tempo, os filhos do policial vitimado partem em busca de vingança.

Continue lendo após a publicidade

Imagem: Netflix (Divulgação)

Nos momentos iniciais vemos uma atuação de Bullock com total resquícios de “por favor, me deem um Oscar”, pois há todo o tipo de requisito que a Academia gosta desde feições depressivas, de redenção, onde a atriz interpreta mais por seus olhares ao invés de palavras. Mesmo ela já fazendo um bom trabalho neste papel, já adianto que estamos falando de uma diretora que está presa na mesma fórmula. Conhecida mundialmente por seu trabalho no longa alemão “Transtorno Explosivo”, a cineasta Nora Fingscheidt parece que está fazendo um trabalho similar ao confeccionado anteriormente. Seja por focar na câmera trêmula nos constantes momentos de fúria de Ruth, ou até mesmo explorar enredos paralelos que tentam salientar as atitudes dela. Faltou uma marca original para este filme.

Mas não estou falando de uma bomba, muito pelo contrário, pois o roteiro de Peter CraigHillary Seitz Courtenay Miles consegue nos convencer em seu principal debate sobre se “Ruth realmente merece uma redenção” e “porque ela cometeu tal ato”. Ficamos martelando constantemente esse debate, durante boa parte da projeção e nessa hora que a atuação de Bullock entra na jogada (inclusive os últimos 20 minutos conseguem ser bastante tensos, por conta disso também). Agora com relação ao restante do elenco composto por nomes como Vincent D’Onofrio e Viola Davis, não hesito em dizer que eles estão operantes. Mas o roteiro não soube explorar seus personagens de maneira mais profunda, além de no máximo três cenas.

No final das contas, “Imperdoável” trás Bullock de volta aos dramas que ela realizava constantemente durante os anos 90. Não é nada grandioso, mas diverte.

Continue lendo após a publicidade
PUBLICIDADE

CATEGORIAS

PUBLICIDADE

Posts relacionados

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Após o estrondoso sucesso de “Turma da Mônica: Laços“, em 2019, era óbvio que iríamos ter muitos outros filmes da franquia...

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Após o estrondoso sucesso da primeira temporada e uma conturbada produção de seu segundo ano, com interrupções por conta da quarentena...

TV e Cinema

Engenharia do Cinema  Após o quarto filme da franquia “Pânico” ter tido uma boa receptividade, em 2011, o cineasta Wes Craven começou a idealizar um então...

Gringolândia

O Foo Fighters divulgou o primeiro trailer oficial da comédia de terror da banda, Studio 666. O filme, estrelado pelos integrantes Dave Grohl, Taylor...