O que você está procurando?

Bombando no Foninho

Opinião | Sylvain Sylvain e o New York Dolls me moldaram como artista

Comecei a ouvir New York Dolls quando eu tinha 14 anos, em 1993. À época, estava descobrindo o punk rock e absorvendo informações numa velocidade absurda. Era tudo muito confuso, ainda mais para um roqueiro jovem que até que conseguia ser bem eclético dentro de todas as ramificações do gênero.

Me lembro de uma entrevista do Johnny Rotten esculachando os Rolling Stones e aquilo me marcou, justamente porque amava os Stones tanto quanto amava os Pistols.

Queria entender o porque das coisas serem assim. Posso dizer que a partir desse momento essas divisões preconceituosas, que existem dentro do gênero, começaram a me incomodar.

Continua depois da publicidade

Não à toa, meu interesse pelo New York Dolls crescia de forma incontrolável. Em todas as revistas que me deparava com alguma notinha sobre a banda, eles eram mencionados como pais do punk, protopunk, mas o que sempre vi foi uma grande banda de rock.

Na verdade, enxergava a banda como uma versão punk crossdresser do Stones (Johansen sempre me lembrou o Mick Jagger). Portanto, não demorou muito para se tornar uma das minhas favoritas.

Consegui gravar uma fita K7 em uma loja de discos, com a coletânea Rock n’ Roll, lançada em 1994, e ia para cima e para baixo ouvindo no meu toca fitas portátil. Não era bem um walkman, mas uma versão de baixo custo, que tocava as faixas um pouco mais rápidas quando a pilha estava forte e mais lerdas quando estavam acabando.

Adorava todas as faixas, em especial a Trash, que por um acaso era de autoria do grande Sylvain Sylvain. Tempos depois me lembro de tocar ela em alguns ensaios do The Bombers.

Continua depois da publicidade

Punk rock de forma diferente

Conhecer o New York Dolls me fez enxergar o punk rock de uma forma totalmente diferente. Era possível ser punk e rock ao mesmo tempo. Juntando isso com o visual andrógino adotado pela banda, o Dolls me mostrou que não existiam regras. Não existia um dress code ou cartilha para ser punk. Não era necessário ostentar um moicano ou algum outro clichê para ser punk.

Em 1997, surrupiei de alguém minha primeira edição do livro Mate-me por favor, do Legs McNeil e Gillian McCain. Pirei!

O New York Dolls era exatamente o que procurava em uma banda. O reconhecimento deles na comunidade musical e a postura que tiveram durante a sua primeira meteórica encarnação me encantaram. Posso dizer que me moldaram em diversos aspectos como artista (e não só pelas roupas com estampas de oncinha e guitarras semiacústicas).

Passagem pelo Brasil

Em 2004, a banda se reuniu. Posteriormente, em 2008, pude realizar o sonho de vê-los ao vivo, no mítico Hangar 110. Foi uma emoção indescritível ver meus heróis no mesmo palco que já havia tocado diversas vezes.

Continua depois da publicidade

O que mais me chamou a atenção foi o quão incrível era a dupla Sylvain Sylvain e David Johansen. Isso me fez perceber o quanto que perdi por só ter prestado atenção no papel do Johnny Thunders como guitarrista.

Aliás, em 2006, eles já haviam lançado o incrível One day it will please us to remember even this e eu já deveria ter me ligado. Afinal de contas, mesmo desfalcado do lendário Thunders, o DNA da banda se manteve intacto.

Comecei a prestar mais atenção no Sylvain, na sua carreira pós Dolls (The Criminal$ é um absurdo de tão bom), nos seus heróis musicais e acabei entendendo a importância da sua influência no material produzido pela banda.

Sua postura também me agradava muito. Uma vez questionado sobre a importância do legado do New York Dolls, soltou a seguinte pérola…

Continua depois da publicidade

“Lotar arenas para mim é chamado de sucesso apenas no mundo dos negócios da música. Nós tivemos sucesso com as pessoas. Tivemos sucesso com os artistas. Sucesso com os oprimidos. Tivemos sucesso com os esquisitos. Esse sucesso dura para sempre, porque são eles que estão criando tudo”.

Infelizmente Sylvain nos deixou após lutar bravamente contra um câncer por mais de dois anos e meio. Sua música e postura, no entanto, viverão para sempre. Obrigado por tudo mestre! Hoje passei o dia inteiro ouvindo sua obra e você deveria fazer o mesmo.

Continua depois da publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

BR

O músico João Vicenti Vieira dos Santos, gaiteiro e tecladista da banda gaúcha Nenhum de Nós, morreu na noite de terça-feira (26) aos 58...

Gringolândia

O músico americano Wayne Kramer morreu nesta sexta-feira (3), aos 75 anos, devido a um câncer no pâncreas. A notícia de sua morte foi...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos