Nossas redes

O que você está procurando ?

Crédito: David Titlow

Back to 90's

Entrevista | Republica – “Música é um remédio para a mente e a alma”

Com o hit Ready to Go, a banda inglesa Republica chegou a dominar as paradas nos anos 1990, com a icônica e impetuosa vocalista Saffron. Tim Dorney (teclados) e Johnny Male (guitarra) completavam a banda. Em resumo, eles aproveitaram a onda do Britpop de bandas de rock lideradas por mulheres como Sleeper, Elastica, Garbage e Lush, injetando com seu som autodenominado de techno-pop, punk rock.

Entre 1996 e 1999, a Republica vendeu 3 milhões de álbuns e conquistou o Top 5 no Reino Unido, América do Norte, América do Sul e Europa com vendas de platina em todo o mundo, enquanto o hit Ready to Go alcançou o primeiro lugar em muitos países.

A música do Republica se tornou uma trilha sonora muito procurada: Ready To Go entrou em Capitã Marvel, YellowJackets, Ted Lasso, entre outros. Dua Lipa e Olivia Rodrigo também fizeram versões em suas turnês mais recentes.

Publicidade

Drop Dead Gorgeous, outro hit da Republica, também não ficou de fora. Foi escolhida para a trilha sonora do primeiro filme da franquia Pânico.

Na pandemia, Saffron mudou completamente o rumo da sua vida profissional, deixou a música de lado e foi para a linha de frente. Trabalhou em hospitais para ajudar em meio ao caos causado pelo coronavírus.

Agora, de volta aos estúdios, a Republica revelou o single New York, que marca o retorno do grupo que não lança um álbum desde 1998. Aliás, foram apenas dois álbuns na carreira, Republica (1996) e Speed Ballads (1998).

“Estamos muito felizes por estar de volta sendo a atração principal de festivais e shows ao vivo novamente após a pandemia e encantado com as reações de
as multidões e todos os públicos que pareciam ter levado Nova York a sério
já”, comentou Saffron, que conversou com o Blog n’ Roll, via Zoom.

Publicidade
Como está sendo esse retorno da Republica? Feedback tem sido positivo?

Sim, na verdade ficamos bastante impressionados. Após sair da pandemia, a música agora está de volta. E foi muito importante para mim levar minha banda aos primeiros festivais, sabe, para reunir as pessoas. Fizemos um verão inteiro, este ano e o ano anterior, de festivais e shows principais e temos um novo single chamado New York com um novo vídeo.

Temos um novo álbum, Damaged Gods, que será lançado na primavera do próximo ano (hemisfério norte, entre março e junho). Ironicamente, já tínhamos pensado em um título antes da pandemia, estou esperando que as pessoas consigam entender.

Os fãs têm ficado tão empolgados que acabamos de ser adicionados a 67 estações de rádio, então estamos muito felizes e, você sabe, com o novo vídeo e estávamos na televisão nacional há dois dias com uma performance e uma entrevista.

Estamos bem impressionados, sabe, as pessoas, não apenas os fãs, mas outras se lembram de nós e estão interessadas em ouvir nossa nova música.

Publicidade
Qual foi a inspiração para o single New York? O que mexeu contigo na hora de compor?

New York foi parcialmente escrita antes do lockdown. As letras senti durante a pandemia, trabalhei como uma oficial de saúde mental e assistente de cuidados sociais na linha de frente, como trabalhadora-chave crítica.

Nós queríamos que fosse como muitas músicas da Republica, grandes refrões animados, para tentar reconectar com as pessoas, mas também com a essência de quão importante é lembrar de cuidar uns dos outros e ouvir.

E isso, às vezes, com saúde mental, é algo que você não vê e só porque você não vê, não significa que não exista. As pessoas muitas vezes são tímidas, assustadas ou envergonhadas para falar sobre como se sentem.

Acho que durante a pandemia, houve tanto cuidado uns com os outros na música. Realmente, mesmo que tenha sido tirada do ao vivo, devido ao risco de vida, realmente ajudou a se conectar, sabe, pela internet e coisas do tipo, se conectar com tantos outros, porque acredito que a música é um remédio para a mente e a alma. E é uma linguagem universal que nos conecta a todos.

Publicidade
Você iniciou uma carreira na área médica. O que motivou essa mudança?

Sim, bem, na verdade me qualifiquei há alguns anos, mas mantive isso em segredo. E cuidei da minha mãe, que estava muito doente, com câncer e infelizmente faleceu. Ela trabalhou toda a vida com bebês e crianças com deficiência. Então, decidi me requalificar e cuidar dos outros.

Na verdade, para mim, quando a pandemia chegou, eu estava lá na linha de frente imediatamente. Mas, você sabe, mesmo que tenha sido um horror, inferno, caos, muito sofrimento e comovente, fui honrada e sinto que poderia ter um papel ou desempenhar um papel e ajudar as pessoas, simplesmente estando lá.

Especialmente para aqueles com distúrbios mentais que têm comportamentos diferentes. É muito importante que eles tenham um defensor, um profissional para cuidar deles, porque eles não entendem um vírus, não entendiam essas coisas e alguns pensavam que era culpa deles. É muito difícil, eles me ensinaram humanidade, e levo muito disso, me sinto honrada por poder ajudar.

Qual é a situação de momento aí no Reino Unido na questão da covid?

Acho que definitivamente ainda está por aí (o vírus), e devemos ser muito cuidadosos. Acho que especialmente há muitas cepas importantes da influenza agora que, em alguns casos, ultrapassam a cepa do covid. As cepas são tipo “nós éramos os caras grandes antes”, então elas tiveram tempo de mutar. Elas estão competindo pelo topo, mas é a natureza.

Publicidade

Acredito nos avanços da ciência e dos incríveis cientistas e biólogos, eles estão tentando encontrar curas ou vacinas para ajudar-nos com nosso sistema imunológico.

Basicamente não há bem ou mal, estes são apenas seres vivos em si e é assim que são. Eles se comportam como um leão ou um tigre como nasceram para fazer, eles não são maus. É sobre proteção, prevenção primária.

O Republica viveu um momento muito especial nos anos 1990 dentro do britpop, apesar do som ser muito diferente de bandas como Oasis, Blur, Suede. Como foi encontrar o espaço de vocês nesse cenário?

Bem, nós tivemos a sorte extraordinária de ir para os EUA e sermos muito bem-sucedidos lá. Também tivemos dois números um no México. Realmente adoraríamos voltar e fazer turnês lá.

Posteriormente, meio que tínhamos uma história para contar quando voltamos ao Reino Unido. Estávamos fazendo parte disso, foi extraordinário, um movimento de pessoas e novas bandas jovens, incluindo muitas cantoras femininas fortes que não haviam chegado nas rádios ou televisão, mas aos poucos começaram a nos deixar entrar. Nós derrubamos algumas portas para chegar lá, mas chegamos lá no final.

Publicidade

Apenas o volume e a quantidade de boa música que veio dessa era ainda é muito importante hoje em dia. Então, tecnicamente, não somos especificamente um grupo de britpop, mas nós tivemos muita sorte de fazer parte e sermos bem-sucedidos naquele tempo, naquela era.

Houve preconceito por ser uma mulher como vocalista? Como era essa relação no Reino Unido?

Bem, como disse antes, foi um momento muito difícil. Quando começamos a fazer turnês nos EUA, curiosamente, um amigo meu tinha estudado com o No Doubt e ele disse: “ah, tenho uma amiga, Gwen e Tony, eles têm uma banda, mas já estão há 15 anos tentando e ninguém toca eles“. Naquele mês, Just a Girl estava na MTV.

De repente, havia o Garbage e Republica. As pessoas começaram a dizer: “bem, está aqui, mulheres fortes na frente”, foi o começo de abrir portas para sermos ouvidas. Foi a mesma coisa no Reino Unido. Foi uma grande conquista porque antes disso, era definitivamente uma indústria dominada pelos homens. Era muito, muito difícil se destacar como mulher.

Ready to Go foi um hit muito grande. Esperava esse retorno tão forte?

Quando lançamos Ready to Go, todo mundo perguntou: “você sabia que seria um sucesso?”. Bem, ninguém nunca sabe, porque se soubessem, todo mundo teria um sucesso. Nós sabíamos que tínhamos algo muito forte, mas minha primeira reação foi: “temos que ter um seguimento”, porque é o que todos fazem.

Publicidade

Foi maravilhoso porque foi um grande sucesso ao redor do mundo. Hoje, 25 anos depois, elas ainda estão sendo reproduzidas em todos os lugares, em filmes, esportes, anúncios. As músicas transcenderam, então as pessoas as associam ao seu time de futebol favorito ou a uma montanha-russa, ou até a um filme como Capitã Marvel. Estivemos em várias produções, como Ted Lasso e Cruel Summer. É uma grande conquista ainda estar presente.

Tem planos de vir ao Brasil nessa retomada da Republica?

Nós adoraríamos ir para aí. Por favor, nos convidem, iríamos imediatamente. Se você falar com os promotores, eu conheço um, ele é muito bom. Ele faz muitos tours por aí, no México e em toda a América do Sul. Seria um sonho ir para aí. Minha mãe era meio portuguesa, por isso também seria especial.

Quais bandas mais te impactaram como artista?

É difícil como músico. Há tantos, mas cresci ouvindo bandas como The Cure, The Jam, Simple Minds, The Human League, Depeche Mode, Stevie Nicks, Fleetwood Mac, Kate Bush, Heaven 17, entre muitos outros.

Fora da música também teve alguma inspiração?

Fiz balé, né? Minha vida toda foi dedicada à música, ao canto e à dança. Recebi uma bolsa de estudos para uma escola muito famosa e fiz um teste porque queria fazer parte de um grupo chamado Hot Gossip, ou Rockstar.

Publicidade

O Hot Gossip era um grupo de dança muito famoso que dançava ao som do punk, eram garotas muito sensuais e excelentes dançarinas. A coreógrafa era a Arlene Phillips, que estava fazendo o Starlight Express com patins. Então, fui fazer o teste e acabei caindo lá, mas ela me escolheu. Havia cerca de 600 pessoas no teste, mas ela percebeu que eu tinha treinamento avançado em balé, sapateado e modelagem.

Ela me perguntou se eu estava disposta a trabalhar mais do que nunca na minha vida, e eu disse: “estou aqui por sua causa”. Então eles me treinaram em um estilo militar, era um treinamento intenso, porque você precisa treinar ao nível de um atleta olímpico. Você tem que ser capaz de patinar como no filme Rollerball, é muito perigoso, mas você está cantando e dançando ao mesmo tempo com um grande figurino.

Foi uma oportunidade incrível para mim, com Sir Andrew Lloyd Webber e Arlene Phillips. Nós fizemos uma turnê em estádios no Japão, em Tóquio, Osaka. Depois fiz parte da produção do West End, de Starlight Express, no papel de Jewel no Electric Train. Depois disso, fiz o papel de Magenta no The Rocky Horror Show também.

Publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Agenda

A banda californiana Oingo Boingo Former Members, formada por cinco integrantes originais da Oingo Boingo, dona de hits como Stay, Just Another Day, Dead...

Agenda

Duas forças do hardcore contemporâneo farão suas estreias no Brasil em março: Angel Du$t (EUA, formado inicialmente por integrantes do Turnstile e Trapped Under...

Publicidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos