O que você está procurando?

Crédito: John McMurtrie

Entrevistas

Bruce Dickinson traz Mandrake Project para SP: “A fama é um subproduto da criatividade”

Um dos maiores vocalistas da história do rock, Bruce Dickinson vive um momento especial com o Brasil. Além de ter anunciado a 13ª visita do Iron Maiden ao País, que acontece no fim do ano, o músico britânico participou da CCXP recentemente e está viajando pelo País com a turnê solo The Mandrake Project.

Até o momento, The Mandrake Project Tour já passou por Curitiba, Porto Alegre, Brasília e Belo Horizonte. Nesta terça-feira (30) é a vez do Rio de Janeiro, enquanto Ribeirão Preto recebe Bruce na quinta-feira (2) e São Paulo no sábado (4). Ainda há ingressos de pista (R$ 800 – inteira, R$ 400,00 – meia) para a apresentação no Vibra SP, em São Paulo.

Antes de chegar ao Brasil, Bruce Dickinson conversou com a imprensa brasileira sobre a turnê, o conceito do Mandrake Project, o atual cenário heavy metal, entre outros assuntos. Confira alguns dos melhores momentos abaixo.

Continua depois da publicidade
Experiência de trabalhar com Tony Lee e Staz no conceito artístico e na narrativa do Mandrake Project

Tony Lee e Staz têm sido absolutamente incríveis. Comecei a trabalhar com Tony Lee por causa do conceito artístico do Mandrake, da história e dos personagens, que basicamente é minha história. Então, fui até a Z2 Comics e eles me apresentaram ao Tony Lee. E nos demos muito bem, percebi que, sabe, eu nunca havia escrito um roteiro de quadrinhos antes. Escrevi histórias, livros, roteiros de cinema, mas roteiro de quadrinhos é algo diferente.

Tony e eu nos demos muito bem. Então, estamos bem encaminhados para o roteiro número três do episódio três no momento, obviamente, pensando em quais artistas contratar. Tony foi quem sugeriu Staz Johnson e assim que vi o trabalho dele, pensei: esse cara é brilhante. Então, foi assim que Staz, Tony e eu nos reunimos.

Na verdade, temos outro artista a bordo agora, como o Peter Kowalski. Ele fica responsável por muitas das cenas de flashback ou de algum período de tempo diferente. E, claro, temos Bill, eu sempre erro o sobrenome dele, mas Bill Sienkiewicz, fazendo a arte da capa, o que é simplesmente incrível. Então, é uma ótima equipe.

Importância de trabalhar em equipe mesmo em um álbum solo

Mesmo que seja chamado de álbum solo, para mim, sempre é uma banda. Trato como se estivesse em uma banda para meu disco solo. Quer dizer, vamos levar uma banda para a turnê e vamos ser uma banda e fazer as coisas que fazemos. Vamos sair juntos e apenas nos divertir e jogar xadrez. Eu não sei.

Continua depois da publicidade
Mudanças desde Tyranny of Souls, último álbum solo, lançado em 2005

Certamente não senti a necessidade de apenas reproduzir coisas que fiz no passado, porque, sabe, muito disso, acho que estou muito orgulhoso de tudo, mas algumas partes em particular, como Chemical Wedding, obviamente são destaques.

Tyranny of Souls foi um álbum que foi uma pena que fizemos. Não tínhamos realmente lugar para colocá-lo, porque estava tão ocupado com o Iron Maiden, e tudo bem, mas agora temos algum espaço e, em 2014, tive, sabe, várias ideias. Então, apresentei elas e a ideia era que haveria uma história correndo pelo álbum. Como acabou, há uma história correndo pelo quadrinho. Que é um projeto de três anos, uma espécie de uma questão separada do álbum. Mas o álbum em si tornou-se uma história musical, não uma história literal.

Inspiração para a dinâmica dos personagens Dr. Necrópolis e Professor Lázarus

Ah, esses personagens, os personagens do filme. Eu disse filme, gostaria que fosse um filme. Talvez um dia. Sim. Mas, claro, tiro elementos de situações em minha vida, de pessoas que conheci, de pessoas que encontrei e coisas assim.

Pego esses elementos e os importo para as motivações dos personagens e tento fazer as motivações dos personagens se encaixarem nos problemas, nos desafios ou nos problemas que eles tiveram quando foram criados, sua criação, coisas que aconteceram com eles.

Continua depois da publicidade

E às vezes algumas pessoas simplesmente não são muito legais, então todas essas coisas vão para o caldeirão. Mas sim, quero dizer, eu escrevo, escrevo por hábito. Escrevo a partir de pessoas que conheci ou conheço ou pessoas que talvez não necessariamente tenha conhecido. Mas vi muitos documentários sobre elas na TV.

Mudanças entre projetos solos e carreira com o Iron Maiden

Toda vez que você escreve um novo álbum é como se você estivesse dando à luz algo com personalidade e um pouco de alma individual. Não é algo que seja apenas jogado junto. Quero dizer, provavelmente, algumas pessoas fazem isso, mas não eu. Para mim, é um evento realmente importante.

Quer dizer, este álbum levou quase 20 anos para ser finalmente lançado. Então, para mim, é apenas sobre fazer as músicas diferentes sem tentar demais, autênticas, sem precisar contar mentiras e fingir ser algo que você não é na música. A narrativa nas músicas deve ser representada pela música que a toca, se é que me entende.

Então, há algumas histórias legais neste disco, e é por isso que cada faixa é diferente. Diferente em termos de interpretação e estilo. O que é diferente em fazer suas coisas solo em comparação com fazer coisas com o Iron Maiden? A diferença é que não é o Iron Maiden. Quando você faz um Iron Maiden, está realmente consciente de que tem um estilo a respeitar e um legado, uma história e tudo mais, mas tudo o que tenho que respeitar com meu trabalho solo é a autenticidade da voz em termos da música e da maneira como é apresentada.

Continua depois da publicidade

Por exemplo, é uma música como Resurrection Men, que não sei se as pessoas ouviram o disco ainda, mas soa como o início de um filme do Quentin Tarantino ou Morricone ou algo assim. E as pessoas pegam isso. Há um exemplo onde posso juntar um pouco de Morricone, um pouco desse tipo de vibração de faroeste italiano indo para um riff meio Quentin Tarantino, indo para esse mega negócio de baixo que Roy inventou no meio dela. Então, esses tipos de mashups são coisas que posso fazer como artista solo.

Escrever roteiro do filme The Chemical Wedding (2008)

Se alguém quiser escrever meu roteiro, há outro casal sentado por aí no momento, junto com todos os outros que já criaram algo. Chemical Wedding demorou muito para sair e nós fizemos esse filme com um orçamento. Fizemos esse filme com um orçamento de tipo, não sei, não consigo me lembrar de quanto era, mas vamos chamá-lo de X. E, na verdade, só tínhamos metade de X para fazer o filme.

Foi uma produção de baixo orçamento, de verdade, mas tinha algumas partes que achava ótimas, outras partes poderiam ter sido melhoradas, mas é um filme peculiar e interessante. Originalmente, seria uma peça de época sobre a vida de Aleister Crowley, mas não tínhamos orçamento para fazer uma peça de época. Então tinha 600 páginas de roteiro sobre a vida de Aleister Crowley que basicamente tive que jogar fora e começar de novo.

The Chemical Wedding surgiu quando nós tivemos que trazer Aleister Crowley de volta aos dias atuais por três dias e dizer o que ele aprontaria. Isso é uma história completamente nova. Mudamos o título de The Number of the Beast, que é como Crowley se chamava, A Besta 666, para The Chemical Wedding. Naquele momento eu já tinha o álbum lançado e pensei que a faixa-título também faria uma ótima cena de abertura para o filme. Aí está. Mais do que pretendia dizer, mas é isso aí.

Continua depois da publicidade
Cenografia dos shows da atual turnê e química com os integrantes

Não posso te dizer sobre isso ainda porque ainda não começamos. Mas conheço todo mundo e já toquei no palco com Tanya e, obviamente, na América do Sul, muitas pessoas já me viram no palco com Tanya. O que ela faz, eles sabem, obviamente, com uma coisa clássica. Então, isso é um pouco diferente de uma coisa de rock and roll.

Mas vamos ter algumas telas, vamos ter alguns vídeos, mas não vamos ter pessoas entrando tentando ser atores e coisas assim. Não é esse tipo de álbum. Vamos fazer muitas coisas desde Accident of Birth até Chemical Wedding. Porque acho que essas são coisas que tenho que tocar porque as pessoas não as ouvem há mais de 20 anos. Algumas pessoas nunca ouviram.

Então, isso vai ser um pouco de celebração. Esperaria, provavelmente, quatro músicas do novo álbum e o resto serão todas de Balls to Picasso. E é claro que vamos ter que tocar Tears of the Dragon.

Relação com um mundo repleto de mentiras

Sobre a primeira parte, sobre verdade e realidade, sobre o que é real, o que não é real, o que é falso e o que é imaginário. Acho que todos sabemos que a internet e a inteligência artificial são capazes de contar algumas mentiras monumentais sobre a realidade, o estado do mundo e tudo mais. Então, não há muito que possa fazer sobre isso.

Continua depois da publicidade

Certamente, com o quadrinho, posso explorar a ideia do que acontece nas profundezas do subconsciente das pessoas e o que acontece nos recantos escuros de suas mentes e possivelmente em outros mundos também. Isso é uma coisa.

Em termos do que trazemos para o palco, a realidade é a música. Isso mesmo. Quero dizer, isso é a realidade. São seis pessoas ali no palco fazendo isso.

Relação com a fama nos dias atuais

Eu sei quem eu sou, sou famoso quando apareço para fazer um show e coisas assim, mas não ando por aí com uma camiseta dizendo: “Ei, eu sou famoso”. Não é o que faço. Gosto de ser o mais anônimo possível fora do palco.

Para mim, é tudo sobre o que acontece no palco quando estou contando a história da música, quando estou cantando, ou se estou escrevendo, obviamente, é privado e depois torno público. Acho que fama é um subproduto da criatividade. É como, sabe, cocô de cachorro é um produto de ter um cachorro.

Continua depois da publicidade
Desafios vocais com o último álbum

Foi apenas um desafio no sentido de tentar fazer a coisa certa para as músicas. A parte de cantar é apenas uma coisa natural. Ou vai acontecer ou não vai acontecer, sabe? E se não estiver acontecendo da maneira certa, então você tem que mudar, desistir ou dar uma folga, algo assim, sabe?

Mas trabalho bastante rápido quando realmente faço um vocal, quando me dedico a isso. Geralmente no estúdio leva um dia, às vezes faço dois em um dia, mas geralmente faço um dia por faixa. Mas algumas das músicas do álbum remontam há muito tempo. Elas remontam há quase 25 anos.

Então, de novo, tive faixas que tínhamos um ótimo vocal, que foi feito como um demo e estava incompleto. Tive que copiar, não exatamente copiar, mas tive que completar o quebra-cabeça da música 20 anos depois. Foi tipo: uau, a voz não soa tão diferente de 20 anos atrás. Isso não é ruim.

Mudanças substanciais para gêneros musicais permanecerem relevantes

Se você é um artista, ela (indústria musical) se contraiu. Ou seja, encolheu em termos da quantidade de dinheiro que você recebe pelo seu trabalho. A menos que você seja uma grande sensação nas redes sociais. Ou um DJ que aparece com um pendrive e recebe cinco vezes mais do que uma banda, que precisa dividir entre oito pessoas. Ele simplesmente aparece com o pendrive, finge que está fazendo algo e vai embora com uma quantia enorme de dinheiro.

Continua depois da publicidade

Então, o mundo virou de cabeça para baixo nesse sentido. E não há muito que qualquer indivíduo possa fazer sobre isso. Você só precisa trabalhar com o mundo como ele é, sabe? Não tenho absolutamente nenhum desejo de ser um DJ, sou um cantor. Sou músico, tenho bandas e pessoas assim. E todos precisam ganhar a vida tocando comigo. Então, faço o melhor que posso para garantir que todos estejam felizes, todos estejam ganhando a vida e que possamos sair e tocar ótima música.

Em termos de como os discos são vendidos, discos, downloads e coisas assim, acho que é uma situação de perda para todos. Você tem todas as coisas como o Spotify e similares que basicamente estão enganando os músicos, pagando-lhes quase nada por tocar o trabalho deles, e ainda assim eles não conseguem ganhar dinheiro. Então, eles não estão ganhando dinheiro. Os músicos não estão sendo pagos.

Bandas novas mal podem se dar ao luxo de começar, mas elas começam. Por quê? Porque eles amam o que fazem. É isso que os impulsiona, é isso que os motiva. Então, se os serviços de streaming conseguissem pagar as pessoas adequadamente, o que provavelmente significa que as pessoas que ouvem teriam que pagar mais, eu não me oponho. Não acho que a maioria dos ouvintes se oporia. Talvez menos pessoas ouvissem, mas seriam pessoas que se importam, não pessoas que fazem isso só porque é barato.

Sobre se considerar geek

Sou um geek de armário, sou um tipo estranho de geek também porque, basicamente, sou um geek analógico. Não sou louco pelo mundo digital. Aprecio que tenha algumas vantagens, mas na maioria das vezes, apenas coloca as pessoas para fora do trabalho e simplesmente remove a motivação delas para pensar por si mesmas.

Continua depois da publicidade

Mas sou um pouco geek, adoro dirigíveis, amo foguetes, amo o espaço, obviamente amo aviões e coisas assim, mas amo submarinos e sou um grande fã de trens também. Qualquer forma de transporte em massa me deixa animado.

Com quem gostaria de trabalhar

Seria legal sentar em uma sala com Trent Reznor e conversar com ele sobre como ele faz o que faz e, quais são suas motivações e coisas assim. Não há ninguém que esteja queimando um buraco no meu cérebro dizendo: “Oh, eu devo ir e trabalhar com essa pessoa”.

Mas gosto quando você pode conhecer pessoas. E você não está trabalhando, está apenas conhecendo alguém e conversando com eles e tem uma ideia de como eles montam as coisas. Mas você só realmente sabe disso se estiver sentado em um estúdio e meio que assistindo eles fazerem isso.

Heavy metal hoje em dia

Continua depois da publicidade

Tem todos os tipos de diferentes facetas, você sabe? Então, o que é pesado agora? O que é heavy metal para uma pessoa? É tipo, não, isso não é heavy metal. Isso é como rock clássico e todas essas coisas. Temos todas essas categorias, mas não tenho o menor interesse em nenhuma delas.

Em termos do que escuto é: essa é uma música legal? Não importa se é o Sepultura ou se é os Scorpions, se é Cinderella ou é Uli Jon Roth, não dou a mínima.

E é isso que eu era quando estava crescendo porque ninguém tinha todas essas categorias ridículas, como 150 tipos diferentes de metal. Quantas diferentes variedades do vírus do herpes existem? Tem tantos tipos diferentes de música, é insano. Então, só escuto e penso: essa música me move de alguma forma? É isso, simples assim.

Existe algum amuleto ou mania antes de entrar no palco

Toco meus dedos dos pés dez vezes. Isso é tudo. Toquei meus dedos dos pés dez vezes e você nunca verá porque me escondo atrás das cortinas. Eu sei, faço um aquecimento. Nada, nada extraordinário, mas faço um pouco de alongamento. Tenho uma grande garrafa de café e um pouco de água.

Continua depois da publicidade
Altas taxas cobradas por organizadores de shows

Primeiro, depende do que é o show e de quem é o público. Quero dizer, não vou sair por aí dizendo sobre artistas específicos porque a maioria dos artistas que estão cobrando US$ 1,2 mil por ingresso, você sabe. Como em Las Vegas, se você quiser ir ver o show do U2, acho que era US$ 1,2 mil por assento na Sphere, certo?

Não tenho interesse em pagar US$ 1,2 mil para ver o U2 na Sphere. Nenhum interesse, talvez US$ 100. Mas para mim o importante é tentar o tipo certo de ingressos pelo preço certo.

Por exemplo, os ingressos que estão na frente do palco, que todo mundo diz que deveriam ser os mais caros. Na verdade, não, eles deveriam ser os ingressos mais razoavelmente precificados porque as pessoas que vão lá para a frente do palco vão ser os fãs de verdade, crianças, pessoas que não podem pagar o dinheiro louco. Mas são as pessoas que precisam estar na frente. São as pessoas que vão manter essa música viva.

Você tem as pessoas que talvez sejam fãs, mas elas querem trazer a esposa e elas não querem ficar muito suadas e tudo mais. Então há alguns assentos lá em cima ou algo assim, que eles vão escolher. Esses assentos, esses são precificados de forma diferente.

Continua depois da publicidade

Entendo como os promotores tentam fazer isso para não perder dinheiro porque os promotores fazem parte de todo o ecossistema. Sem promotores, não haveria shows. Os promotores de alguma forma têm que recuperar o dinheiro deles. É um equilíbrio delicado, mas, em geral, os preços dos ingressos dispararam. Bem, alguns dos preços que as pessoas pagam, para mim, são insanos. Eu nunca pagaria esse preço. Mas, novamente, provavelmente não sou fã desse artista específico. Então, talvez eles achem que vale a pena.

Quero dizer, certamente com, com meus shows, sempre tentamos manter os preços dos ingressos dentro dos limites normais. E o mesmo com o Maiden.

O que traria da juventude para os dias atuais

Nada, apenas um corpo que eu não sinta dor (risos).

Continua depois da publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Agenda

A lendária banda punk Descendents vem ao Brasil em dezembro, juntamente com o Circle Jerks, para uma turnê que incluirá datas em São Paulo...

Agenda

A cantora Maria Carey fará um show em São Paulo no dia 20 de setembro, no Allianz Parque. O show foi confirmado pela produtora...

Agenda

A cantora Aurora traz o show What Happened To The Earth? Part 3 para São Paulo, em 16 de novembro. A apresentação acontece no Espaço Unimed. Os ingressos estarão...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos