Nossas redes

O que você está procurando ?

Divulgação

Back to 90's

Entrevista | Blues Traveler – “Somos músicos melhores, temos mais dinâmica”

Em meio aos inúmeros grupos que brotavam na programação da MTV Brasil, nos anos 1990, o Blues Traveler conquistou o seu espaço com o hit Run-Around, que tinha um videoclipe com uma historinha bobinha, mas uma sonoridade que ficava na cabeça. Não à toa, somente no YouTube o vídeo tem 27 milhões de visualizações, mesmo sendo publicado 16 anos depois do lançamento do single.

Run-Around faz parte do álbum Four, lançado em 1994, que também contava com outro hit, Hook.

Apesar dos dois grandes hits, o Blues Traveler ficou mais conhecido nos Estados Unidos pelas apresentações em formato de jam sessions, sempre reunindo vários convidados.

Publicidade

Além disso, o Blues Traveler também carrega uma longa jornada sem pausas. Sim, o grupo de Princeton, em New Jersey, nos Estados Unidos, iniciou a carreira em 1987, lançou o primeiro álbum em 1990, e nunca mais parou. O trabalho mais recente é Traveler’s Soul, lançado em outubro, que traz versões de Stevie Wonder, The Impressions, TLC, entre outros.

>> Confira outras bandas da série Back to 90’s

Aliás, o Blues Traveler reúne quase inteira a formação original. John Popper (vocalista e gaita), Chan Kinchla (guitarrista) e Brendan Hill (baterista) estão juntos desde o início. A exceção está no baixo, antes ocupado por Bobby Sheehan, que morreu em 1999 após uma overdose. O irmão mais novo de Chan, Tad, assumiu o posto.

Chan Kinchla conversou com o Blog n’ Roll, via Zoom, sobre essa longa jornada, novo álbum, Run-Around, entre outros assuntos. Confira abaixo.

São 36 anos de banda até o momento. E o Blues Traveler segue ativo, lançando álbuns e fazendo tours. Qual é o segredo para essa longevidade?

Acho que começamos juntos no Ensino Médio, quando tínhamos uns 15, 16 anos, foi quando a banda se formou. Então, realmente crescemos juntos. Isso nos torna mais unidos, somos quase como uma família. Sabe, somos quase irmãos. Crescemos juntos. Isso ajuda.

Publicidade

Acho que nosso primeiro amor era tocar música ao vivo, improvisar, apenas a experiência de tocar em um show ao vivo para uma ótima plateia. No começo, com plateias muito pequenas ou sem plateia. Mas sempre amamos tocar ao vivo e isso é algo em que sempre conseguimos recorrer, independentemente de tudo o que está acontecendo. Apenas saímos em turnê e tocamos ao vivo, adoramos fazer isso. Honestamente, isso é realmente o coração da banda.

E quanto a todas as outras coisas, sempre estamos, eu acho, tentando coisas diferentes, experimentando. Isso nos mantém frescos e crescendo como músicos. E, sabe, é o que amamos fazer. Acho que muitas bandas se envolvem muito no ego, mas acredito que sempre acabam se reunindo.

Então, decidimos pular isso e apenas continuar juntos e continuar trabalhando. Não são muitas as bandas que se separam e voltam a se reunir. Então, por que elas se separam? Apenas tirem uma pausa.

Qual foi o principal desafio para se manter tanto tempo juntos com a banda?

Acho que os desafios são apenas manter o interesse criativo. E, como disse, cada vez que tocamos ao vivo, é uma experiência diferente porque fazemos muita improvisação. Então, mesmo que haja… Outras coisas estão ficando um pouco monótonas ou sem inspiração. Assim que subimos ao palco, sempre há algo novo para fazer, alguma nova direção para tentar, o show é sempre diferente a cada noite.

Publicidade

E, enquanto nos concentrarmos nisso, sempre há coisas novas acontecendo. Sabe, idealmente, espero que estejamos melhorando. Sinceramente, tocamos agora, sabe, quando éramos mais jovens, tínhamos tanta energia.

Às vezes, conseguimos seguir apenas com muita energia. Agora somos músicos melhores, temos mais dinâmica. Agora tocamos tão bem quanto sempre tocamos. Então, isso nos mantém voltando.

O álbum mais recente, Traveler’s Soul, foi lançado em outubro. Como tem sido o feedback do público?

Foi ótimo. O nome da banda é Blues Traveler, mas nossa música não é realmente blues. Então, por muito tempo, todo mundo ficou nos perguntando: “por que Blues Traveler?” Mas, na verdade, quando começamos, quando éramos jovens, era muito mais blues. Então, nós amamos todos os tipos de música.

Posteriormente, meio que fizemos a nossa própria mistura, mas por muito tempo pensamos em fazer um álbum de blues. Só para que todos ficassem quietos, mas nunca chegamos a isso.

Publicidade

Então, a pandemia aconteceu em 2020 e ficamos fora da estrada pela primeira vez. Os destinos conspiraram e fizemos um disco de blues chamado Travelers Blues, que foi muito bem recebido.

Nos divertimos muito desmontando essas músicas antigas, antigas canções de blues, meio que fazendo nossa versão delas. Isso foi apenas uma extensão disso que foi tão bem, indicado ao Grammy e tudo mais.

Decidimos fazer o Traveler’s Soul com nossa outra base, que é o R&B e soul. Para ser honesto, John é naturalmente muito mais um cantor de R&B e soul. Então, sua interpretação neste disco está fantástica.

Sabe, as músicas são todas sucessos, é muito fácil para nós, só queremos tentar honrar a música, mas colocar nossa própria sensação nela. Mas são apenas ótimas músicas.

Publicidade

Fazer esse tipo de coisa é uma ótima maneira para nós crescermos como músicos e aprendermos diferentes formas que as pessoas escrevem músicas. Isso nos tira da zona de conforto, é um ótimo processo, a resposta tem sido fantástica.

Vocês tiveram que sair da zona de conforto.

Sim. Muitas dessas músicas são muito elaboradas. Fazemos muito mais improvisação e rock, podemos ser um pouco agitados demais. Essa é nossa tendência natural. Queremos complicar tudo. Todas essas músicas têm partes muito específicas e pequenas que se encaixam perfeitamente.

É bom para nós aprendermos a apenas tocar uma parte simples, cumprir minha pequena função, sem adicionar notas extras. Isso é algo em que sempre estamos trabalhando, porque ouvimos um espaço vazio e queremos preenchê-lo. Às vezes é melhor apenas deixar espaço. Então estamos trabalhando nisso. Sempre um trabalho em progresso.

Queria fazer um comentário a parte sobre Waterfalls. A versão de vocês ficou muito boa. Como surgiu a ideia de fazer essa versão?

Bem, todas elas tinham que se encaixar em um estilo meio de R&B e soul. O legal de Waterfalls é que nos anos 1990, quando Run-Around e Hook eram grandes sucessos, foi surpreendente para nós, estar em todas essas grandes estações de rádio pop nos Estados Unidos. Eles chamam isso de Hot 100 aqui, o que não era esperado, já que éramos uma banda de rock hippie, mas foi muito divertido.

Publicidade

Ao mesmo tempo, estávamos fazendo todos esses festivais de rádio, além de MTV Movie Awards, havia três músicas naquele verão: Run-Around, Chasing Waterfalls e Kiss from a Rose, do Seal, em todas essas apresentações.

Por alguma razão, nós e o TLC tínhamos nossos trailers bem ao lado um do outro. Acabamos ficando amigos, embora fôssemos pessoas bem diferentes. Então, temos essa história com o TLC e, de certa forma, é uma música de R&B. Foi algo que John sugeriu.

Aquelas músicas que todos nós gostamos, meio que vão para a lista, mas começa com centenas de ideias. Depois, reduzimos para 100, depois para 50. E, no final, nosso produtor, Matt Rawlings, teve que selecionar as músicas das quais todos gostamos. Um grupo de 12 ou 14 que seriam legais para fazer um bom álbum.

Queríamos algumas coisas mais novas. A mesma coisa com Groove Is in the Heart, que é mais contemporânea. Novamente, gostamos disso porque quando começamos em Nova York, no final dos anos 80, havia a banda Dee-Lite tocando em todos os mesmos clubes em que estávamos tocando. Temos essa história com esses artistas.

Publicidade
Nos anos 1990, o Blues Traveler conquistou uma popularidade muito grande com o álbum Four. O hit Run-Around era presença constante na TV e nas rádios. Na sua opinião, qual foi o grande mérito do single?

Inicialmente nos rendeu muito dinheiro, isso foi bom. É uma espada de dois gumes. Quer dizer, no final, foi tudo bom, mas éramos meio que uma banda de rock underground, uma banda hippie antes disso, meio que como o Grateful Dead.

Tínhamos muitos fãs fiéis, mas recebemos toda essa popularidade mainstream. Sempre houve, definitivamente, um tipo de choque cultural.

O legal é que isso nos colocou no Saturday Night Live, nos levou para todos esses eventos legais, além de conhecer pessoas como o TLC. Toda a jornada é meio boba, mas também é muito divertida. É apenas uma jornada engraçada e, você sabe, nunca dura para sempre em termos de ser tão popular, especialmente para um bando de cabeças-ocas como nós. Então foi apenas uma jornada muito divertida.

Por fim, pelo resto de nossas vidas, temos algumas músicas no rádio que são meio que um cartão de visita, o que honestamente é muito legal, fazer parte das músicas que as pessoas se lembram daquela época é bacana.

Publicidade
Como você avalia a trajetória do Blues Traveler após o lançamento do Four? Se arrepende de alguma decisão? Faria algo diferente?

Deveria ter gasto meu dinheiro de forma mais sábia, mas tudo está bem agora. Gastei de forma bem boba, era um jovem de 26 anos, o que deveria fazer? É muito engraçado quando você é uma banda dessa idade, nós quatro estávamos no comando de tudo. Então, claro, não sabíamos o que estávamos fazendo.

Cometemos muitos erros, mas acho que como qualquer pessoa na casa dos 20 anos, eles vão cometer um monte de erros enquanto aprendem a se orientar. Aquela foi a nossa época, com muito mais dinheiro e festejando muito mais do que a maioria das outras pessoas. Mas, honestamente, toda aquela era foi uma festa, foi muito divertido, realmente nos moldou no que somos agora.

A única parte realmente devastadora foi quando nosso baixista original faleceu em 1990. Então, aquilo foi no final daquilo tudo. Não diria necessariamente que teve algo a ver com o sucesso ou o que quer que seja, foi apenas algo que aconteceu. Não foi realmente algo que pudesse associar a todos os sucessos.

Agora temos uma carreira realmente longa por causa de toda essa popularidade, o que é muito legal.

Publicidade
Vocês pensam em visitar o Brasil para divulgar o novo álbum e relembrar os hits? Como estão os planos para 2024?

É muito interessante porque de todos os lugares do mundo, no Brasil sempre temos fãs. Vendemos mais discos na América do Sul, no Brasil, principalmente. Então, há uma razão para irmos até lá. Acho que seria ótimo.

Precisamos apenas de um bom promotor para nos ligar. Então, estou pedindo a qualquer promotor para organizar alguns shows, elaborar um plano e estaremos lá. Estamos ansiosos para ir ao Brasil. A porta está aberta, adoraríamos!

A logística atrapalha, certo?

Ficamos geralmente nos Estados Unidos. Quero dizer, ocasionalmente, vamos à Europa ou à Austrália, mas é muito caro. E uma coisa sobre os Estados Unidos é que é tão grande, podemos passar todo o nosso tempo apenas aqui. Neste verão fizemos a Costa Oeste e no próximo verão voltaremos para a Costa Leste, com alguns lugares no meio do caminho.

Nos divertimos muito quando viajamos, só precisa fazer sentido. Infelizmente, o lado financeiro fica complicado. Acho que é isso que acaba dificultando. Queremos ir a todos os lugares. Se conseguirmos um promotor com apenas alguns shows, poderíamos ir e realizar tudo. É uma pena que não tocamos metal, os brasileiros adoram metal.

Publicidade
Quais os três álbuns mais marcantes na tua formação como músico?

Quando era criança, ouvia esses álbuns o tempo todo. Provavelmente diria London Calling, do The Clash. Era um grande fã deles, esse álbum é muito importante para mim.

Outro álbum seria The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars, do David Bowie. Foi um álbum marcante da minha juventude. Além disso, sou um grande fã do The Police, Reggatta de Blanc também está entre os mais importantes.

Para finalizar, escolheria Led Zeppelin II. Escolhi quatro, mas ficaria feliz com eles. Sabe, provavelmente, eu os escutei todos no último ano, sabe?

Publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Publicidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos