Nossas redes

O que você está procurando ?

TV e Cinema

Crítica | Hypnotic

Engenharia do Cinema

Sendo considerado um dos projetos que o cineasta Robert Rodriguez queria realizar desde 2002, época onde o roteiro de “Hypnotic” já estava pronto. Lançado no início deste ano, e com um marketing bastante fraco, pode ser facilmente considerado um dos maiores fracassos desse ano, pois custou US$ 70 milhões e rendeu até agora US$ 9.4 milhões mundialmente. Não hesito em dizer também que embora estejamos falando de um roteiro que bebe e muito de longas como “Matrix”, “A Origem” e “Amnésia”, parecia que tudo ia dar certo, mas estamos falando de um dos piores papéis na carreira de Ben Affleck.   

Após o misterioso repetindo de sua filha, o agente Danny Rourke (Affleck) se vê envolvido em um cenário cada vez mais complexo, envolvendo controles da mente e segredos cada vez mais escuros. Realmente, falar muito sobre esse filme, pode estragar a experiência de qualquer um, independente de sua qualidade.    

Publicidade

Imagem: Ketchup Entertainment (Divulgação)

Desde os primeiros minutos, até o seu desfecho, sentimos que Ben Affleck está totalmente desinteressado em estar neste projeto, e provavelmente aceitou por conta da amizade antiga com o próprio Rodriguez. Não existe nenhuma emoção, empolgação ou vivência em seu personagem, e a todo momento começamos a pensar que outros nomes poderiam estar em seu lugar como Nicolas Cage, Chris Evans e até mesmo Mark Walhberg.

E para ficar ainda mais estranho não existe um entrosamento com Alice Braga, e a dupla não combina em absolutamente nada (tanto que em momento nenhum, eles não nos convencem), e para fechar o leque ainda temos um William Fichtner mais uma vez interpretando um vilão misterioso (que já virou clichê, na sua filmografia).

Conhecido por fazer absolutamente grande parte das suas produções por completo (inclusive compor a trilha sonora, edição, mixagem de som, fotografia e até operar as câmeras), parece que Robert Rodriguez não estava em seus melhores dias, pois ele não conseguia conduzir uma simples cena de luta (tentando esconder ao máximo que os atores não haviam ensaiado nada). Isso chega a ser triste de se ver, uma vez que o orçamento foi satisfatório.

E para piorar a situação, várias cenas de ação se assemelham a uma versão C de “A Origem” (devido a baixa qualidade do CGI e da dinâmica do contexto). Vindo de Rodriguez, realmente chega a ser triste.   

Publicidade

Hypnotic” termina não apenas sendo como um dos mais fracos filmes da carreira de Robert Rodiguez, como um dos mais fracos de Ben Affleck.

Posts relacionados

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Durante meados de 2020, os amigos de longa data Ben Affleck e Matt Damon se juntaram para finalmente abrir sua produtora...

TV e Cinema

Engenharia do Cinema Previsto para ser lançado nos cinemas em 2020, “Águas Profundas” acabou ficando no arquivo da Disney após a compra da Fox...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos