O que você está procurando?

SÃO PAULO, SP, 14.02.2019: STONE TEMPLE PILOTS + BUSH - REVOLUCION TOUR 2019. A banda inglesa Bush se apresenta no Credicard Hall, zona sul de São Paulo nesta quinta-feira (14). A apresentação faz parte da "Revolución Tour 2019" junto com a banda Stone Temple Pilots. As bandas se apresentam também no dia 15/02 no Rio de Janeiro e no dia 17/02 em Belo Horizonte. Fotos: Marcello Fim/Ofotografico (Foto: Marcello Fim/Ofotográfico/Folhapress)

Especiais

Em show nostálgico, Bush mostra peso e consistência em SP

Fotos: Marcello Fim / Folhapress

A banda britânica Bush viveu um grande momento entre 1994 e 1999, quando surgiu como uma das inúmeras alternativas para o baqueado grunge, já desfalcado do Nirvana. Os discos Sixteen Stone (1994), Razorblade Suitcase (1996) e The Science of Things (1999) renderam hits em sequência e topo nas paradas norte-americanas.

Na última quinta-feira (14), o Bush fez o público paulistano mergulhar de cabeça nos anos 1990, no Credicard Hall. Depois de 22 anos sem tocar por aqui, Gavin Rossdale mostrou que pouca coisa mudou.

Continua depois da publicidade

Do repertório ao visual, da disposição no palco ao lado comunicativo com o público. O roqueiro, por sinal, fala muito. Atende pedido de fãs, brinca, é nostálgico, comenta a caipirinha. E por aí vai.

Machinehead e The Chemicals Between Us logo no início da apresentação, em sequência, foram suficientes para Rossdale carregar o público ao seu lado até o término do show.

>> CONFIRA COMO FOI O SHOW DO STONE TEMPLE PILOTS EM SÃO PAULO

No palco, a banda tem só mais um integrante da formação original, o baterista Robin Goodridge. Chris Traynor (guitarra) e Corey Britz (baixo) entraram em 2010, quando o grupo voltou de um hiato de quase dez anos.

Continua depois da publicidade
Foto: Marcello Fim/Ofotografico (Foto: Marcello Fim/Ofotográfico/Folhapress)

A fase de estúdio com esses integrantes mais novos é lembrada em três momentos. Com uma faixa de cada um dos registros: The Sea of Memories (2011), Man on the Run (2014) e Black and White Rainbows (2017). Óbvio que nenhuma delas empolgou tanto como as canções do auge.

Swallowed, Little Things, Come Together (Beatles), Glycerine e Comedown, na reta final, provaram que Rossdale sabe muito bem armar um repertório para os fãs mais saudosistas. Não deu margem para reclamações. Misturou os sons mais recentes no meio da apresentação com faixas conhecidas dos discos noventistas, mas que não tinham tanto apelo comercial.

Curioso notar que toda vez que ia na direção dos fãs, Rossdale arrastava dois, três seguranças que iam atrás para garantir a integridade dele. Em uma dessas escapadas, o músico conseguiu ser mais rápido e invadiu a pista. Ficou lá por muito tempo.

No fim das contas, mesmo que tenha sido um show nostálgico, calcado nos anos 1990, o Bush conseguiu ser revigorado, pesado e interessante. Surpreendeu positivamente.

Continua depois da publicidade

COLUNAS

Advertisement

Posts relacionados

Agenda

No dia em que lança o quarto álbum de estúdio, Frog In Boiling Water, a banda novaiorquina DIIV anunciou um show em São Paulo....

Agenda

Michale Graves é mais de três décadas um renomado artista norte-americano que cria e canta músicas de histórias de horror com autenticidade ímpar, além...

Agenda

O festival Somos Rock Festival reúne Ira!, Humberto Gessinger, Paulo Ricardo, Frejat, Raimundos, Blitz, Biquíni, Detonautas, Di Ferrero e Ultraje a Rigor em dois...

Agenda

Um dos grandes expoentes do jazz finlandês, o saxofonista Pekka Pylkkänen retorna ao Brasil após 11 anos para uma série de apresentações, acompanhado pelo...

Publicidade

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Fika Projetos